terça-feira, 6 de agosto de 2019

Como chatear o seu adolescente:

😝
1. Dizer "bom-dia"
2. Cantar qualquer canção dos anos 80
3. Dizer "amo-te" em público
4. Fazer-lhe tags nas Redes Sociais
5. Respirar


Autoria anónima. Milhões de mães poderão reclamá-la.

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Regresso às aulas? Calma com o andor!



Esta semana já vimos num supermercado o material de regresso às aulas. A Letícia ia tendo um fanico, ainda no dia 23 fez o último exame, mal sentiu o cheiro a férias, e já tem que levar à frente com a Escola? Entretanto, também já viu alguns vídeos de youtubers a fazerem a série de "regresso às aulas", o que a indignou mais ainda. Estamos a um de Agosto! A meio das férias. 

Parece que os supermercados receiam que as famílias despendam todo o dinheiro nas férias, e não lhes sobre nada para o material escolar, agora que os manuais são oferta do governo. 

Na verdade, este regresso às aulas tornou-se numa grande negociata; para além dos manuais, o material escolar, que a maior parte dos alunos parece comprar de novo, mesmo não precisando de substituição, a começar na mochila e a terminar na borracha, há também a roupa nova para o primeiro dia, e sapatilhas a condizer. O regresso às aulas tornou-se numa espécie de "rentrée" formal e cerimoniosa. Que sai bem caro aos pais, e muito mais do que deveria. 

Tanto se fala do consumismo exacerbado, de que o planeta não aguenta estes hábitos de consumo, que já estamos a consumir por conta do próximo ano, e todos se comovem, e os alunos fazem greve, e os alunos manifestam-se, e porém, este tipo de comportamento não é sequer questionado, como se nada tivesse a ver.  

Deveria chegar, regressar à Escola com a cabeça fresca e disposição para aprender; vontade de crescer e contribuir para um mundo melhor. Fazer melhor do que as gerações anteriores, e não continuar na mesma linha. 
Mas afinal para que servem as férias?

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Bolo de Cenoura Vegetariano


É um bolo rápido e simples de fazer, mas muito saboroso. Fica pequeno, porém para duas pessoas, que é o caso cá em casa, dá perfeitamente, até para diversas vezes, pois sendo consistente, cada fatia acaba por satisfazer plenamente. 


Bolo de Cenoura Vegetariano

Ingredientes;
Uma cenoura grande e crua
100 gr de farinha com fermento
50 gr de açúcar amarelo
3 colheres de sopa de óleo de girassol
Meia chávena de bebida vegetal ( aveia)
Uma colher de chá de canela em pó
Uma mão cheia de sultanas
Uma mão cheia de pepitas de chocolate negro


Como fazer:
Ralar a cenoura no processador de cozinha, e juntar-lhe o açúcar, envolvendo bem. Acrescentar a canela, o óleo, as sultanas, pepitas de chocolate e voltar a envolver tudo. Juntar a bebida vegetal e a farinha, bater novamente ( se precisar de mais bebida vegetal, acrescentar mais um pouco) e levar ao forno em forma untada e enfarinhada, até cozer. 

Fiz uma cobertura de chocolate com uma tira dissolvida num pouquinho de água no micro-ondas. É que chocolate combina mais que bem com bolo de cenoura

 

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Dica da leitura: Um anjo falou comigo

Via
Encontrei este livro num alfarrabista, na Feira do Livro de Braga; já tinha escolhido outros de antemão, mas perante a profusão daquele stand, pedi em pensamento, que me viesse parar às mãos o livro que eu precisasse de ler neste momento. E foi este. 
Estou numa fase crescente de espiritualidade, portanto, ler sobre os anjos faz sentido. Desde pequena que tenho o hábito de rezar ao Anjo da guarda, e incuti o mesmo ritual aos meus filhos. Até aqui, tudo muito banal, comum a tantas pessoas! Todavia, já tive momentos na minha vida em que senti verdadeiramente que algo invisível me protegeu. Mas também isto, seja, afinal, muito mais comum do que à partida se pensaria.

As histórias são realmente inspiradoras, espantosas e muitas vezes inexplicáveis, e poderão dar esperança e ânimo a quem estiver a passar por momentos menos bons; aos outros, certamente que inspirará de formas pessoais e únicas. Afinal, os anjos revelam-se de inúmeras formas, basta ficarmos atentos. E ficar atenta é um jogo que, definitivamente, eu quero fazer.

Vou transcrever umas linhas, que me disseram muito:
" Poucas pessoas teriam a coragem de negar que os arco-íris inspiram veneração, mas, se tirar um tempo para fazer uma pausa e observar, existe uma grande beleza e fascínio no mundo natural. Desde as quedas-de-água aos pores-do-Sol, desde as teias de aranha às gotas de orvalho, existem maneiras ilimitadas dos anjos se revelarem diante de nós. Na verdade, tudo o que inspire sentimentos de reverência e fascínio em si pode ser um veículo para os seres celestiais comunicarem a sua presença afectuosa. " 

Título: Um Anjo Falou Comigo
Autora: Theresa Cheung
Editora: Planeta
Nr. de pág. 239

segunda-feira, 22 de julho de 2019

- O meu filho não gosta de ler

De vez em quando alguma mãe comenta comigo que o filho não gosta de ler. Todas sabem que a leitura é importante, que ajuda a escrever melhor, a não dar erros ortográficos e sintácticos, que alarga os horizontes, alimenta a imaginação, e etc., e portanto, não conseguem convencê-los a pegar num livro, e ler. 

Posso dizer, por experiência própria, que mesmo tendo feito da leitura uma actividade desde a tenra infância, e a promovido ciclo após ciclo, essa também poderia ser uma queixa minha. Relativamente à Letícia, a leitura foi sempre uma constante, com períodos mais ou menos intensos de leitura, a minha intervenção resumiu-se a eventuais dicas de livros. E isso deu frutos, na disciplina de Português. Porém, em relação ao meu filho... isso já são outros quinhentos. 
A entrada na adolescência arrumou com as colecções que proporcionavam livro após livro, como os "Gerónimo Stillton", surgiu depois o "Diário de um Banana", mas que pelos escassos números depressa foi arrumada. Vieram os mangas, que pelo preço de um qualquer livro, o meu filho lia de rajada em duas horas (muito desenho e parca leitura), e entretanto, um livro ou outro com mais sumo. As sociedades distópicas sempre foram do seu agrado, por isso "1984" e "O admirável mundo novo" , foram leituras feitas num ápice, entrecortadas por outras leituras que eu lhe "impingia", essas feitas a grande custo, e por isso, bastante demoradas! 
No final do 10º ano, obriguei-o mesmo a ler "Os Maias", nas férias de Verão, por ser leitura obrigatório no 11º mas também por ser um dos meus livros favoritos, e me custar acreditar que o Duarte não gostaria. Não, não foi nenhum abuso! Na verdade, após as primeiras 50 páginas, começou a gostar realmente do livro. Ainda hoje me cita passagens e frases. A Letícia fez o mesmo, no ano passado, e com ela resultou bem, de igual forma. No início do ano lectivo, constatou que foi a única da turma que leu Os Maias e isso trouxe-lhe dividendos.

Voltando ao Duarte, o que fui constatando é que o desafio estava em descobrir livros do seu agrado; assim que isso acontecia, ele tornava-se um leitor voraz. Actualmente, descobri a colecção "The witch" de 5 livros, cada um com um título diferente, que o está a agarrar. A impressão inicial foi desde logo positiva, por ser inspirado num jogo ( ou foi o jogo que se inspirou nos livros?), e ele já o ter jogado. Uma das coisas boas em ter os filhos a ler, é que nesse tempo estão afastados no computador, ironicamente, aqui o benefício veio precisamente de ter estado no computador!

Portanto, quando alguma mãe me afirma que o filho não gosta de ler, a pergunta que lhe faço de seguida é - mas nunca gostou de ler mesmo nenhum livro? E a resposta tem sido sempre que sim, e até me contam qual ou quais. Ou seja, a questão é mesmo descobrir "o livro"! Então, a minha proposta é dar-lhes oportunidade de descobrirem os livros que lhes interessam, e tanto pode ser passear por livrarias, como levá-los a bibliotecas. As livrarias podem ser óptimas para pesquisar, e posteriormente, levantar em bibliotecas, pois com as férias grandes, não há carteira que aguente. 

Em suma, nunca desistir de promover a leitura com o fatídico " O meu filho não gosta de ler", há sempre esperança, e certamente haverá sempre um livro que se irá destacar, por estar de acordo com o gosto de cada um.

terça-feira, 9 de julho de 2019

6 Documentários Que Vale a Pena Ver


Actualmente prefiro documentários a filmes. Talvez seja tendência porque saem a uma rapidez maior do que nunca, e só gravando vou conseguindo vê-los. Muito interessantes, diversificados e reais. E sobretudo, muito bem produzidos.

A Pintora da Rainha - RTP2
Nascida em França no séc. XVII, Madamme Vigé Le Brun, foi uma retratista famosa, que conviveu com a elite europeia. O seu talento revelou-se cedo, aquando da morte do pai. Obrigada a tornar-se o sustento da família, tinha 14 anos, e depressa adquiriu uma clientela rica e aristocrática, até chegar a pintar a rainha Maria Antonieta. Casou, teve uma filha, proporcionava festas memoráveis, e o seu salão era frequentado pelos intelectuais e elite. Até à Revolução, quando a sua proximidade à corte francesa a fez temer o pior e fugir para Itália, num exílio que duraria 13 anos, e durante o qual viveria em Viena e S.Petersburgo. Morreu com 86 anos, pintou mais de 660 quadros. 
Este documentário de 2 episódios, baseia-se nas suas memórias, e revela-nos uma mulher extraordinária, em talento e autonomia. Uma lançadora de tendências, uma referência artística e alguém incrivelmente carismático. 

Três cidades à Conquista do Mundo - RTP2
Três episódios para a história de 3 cidades: Amesterdão, Londres e Nova York. Desde a fundação, e de como no decorrer dos séculos, se tornaram em centros comerciais prósperos e basicamente, centros do mundo. Muito interessante, até mesmo do ponto de vista turístico, para quem pretende visitar estas cidades.

Aquela que vai mudar o mundo - RTP2
Este documentário de 3 episódios, dedica-se a relatar a construção de 3 estradas, em três países, Namíbia, China e índia, em localidades muito remotas e isoladas. A construção destas estradas, que visam tirar do isoladamente estas populações, são feitas pela força de vontade dos cidadãos. Vão permitir que o camião passe para construir poços, e que assim as pessoas deixem de se abastecer em charcos que provocam doenças; vão permitir que as pessoas possam ir aos hospitais quando estão doentes, e que se abasteçam de alimentos e outros bens. 
Para nós, as estradas são tão básicas e abundantes, que realmente não pensamos no impacto directo que têm nas vidas das pessoas. 

Cyborgs entre nós RTP3
A tecnologia está a desenvolver-se de forma acelerada e a integrar-se nos nossos corpos. Há já quem tenha pernas biónicas, por exemplo, para substituir as suas, mas estamos a entrar num ponto em que as pessoas começam a ponderar anexar ao seu corpo tecnologias que nunca fizeram parte dele, para o tornar mais eficiente. Um chip na pele, para evitar carregar cartões, justifica? As questões éticas que se levantam são muitas e abordadas neste filme. Estamos prestes a tornar-nos em cyborges? Estará a nossa humanidade está em risco?

Jack London - Aventura Americana RTP2
Este famoso autor americano do SEC.XX teve uma vida conturbada, muito interessante e surpreendente. Por vezes, mesmo quando tudo parece contra nós, o sucesso é alcançável. Uma biografia muito inspiradora. 

Chambord 1519 - 2019: O Renascimento RTP2
Construído no Séc.XVI por Francisco I, este palácio é um dos monumentos mais importantes do vale de Loire. A sua manutenção custa 24 milhões de euros por ano, quantia essa que vem da receita dos bilhetes, de mecenas e do ministério da Cultura. Porém, o Estado francês quer que Chambord se torne autónomo em 2020. Como o palácio precisa de reparos constantes, devido à sua pedra frágil, o calcário, a direcção procura constantemente formas de rentabilizar o castelo, com concertos, exposições, visitas guiadas e animadas, e nomeadamente a recriação da vinha e o Jardim originais, que aliás trouxeram dividendos extraordinários. Visitar o Palácio é deveras interessante ( é aqui que está a famosa escada dupla, atribuídas a Da Vinci), mas conhecer os bastidores complementa excepcionalmente a visita.