quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

Coroa de Natal


Desde o príncipio deste mês que vejo entradas no Mãe... e muito mais vindas de pesquisa para decoração de Natal. Normalmente por essa ocasião já tenho publicado algumas sugestões, porém este ano pareceu-me cedo demais.
Fui deixando passar o tempo, embora as crianças não me permitam esquecer.

No domingo, ao passearmos pelo Parque, encontrei ramos de Pinheiro podados, e não resisti a apanhar alguns, já a pensar na decoração. Portanto, inauguro hoje a season, com esta coroa de Natal, super simples e rápida de fazer.


Material necessário:
Uma coroa básica ( a minha foi feita de videira, e adapta-se a todas as ocasiões )
Pistola de cola quente
Ramos de Pinheiro manso
Pinhas
Bolas de esferovite
Fio Norte
Neve em spray

A pistola de cola quente é muito prática, agiliza o trabalho, e por isso acho que vale muito a pena. Não havendo, as bolas podem ser coladas com cola normal, e os ramos presos à coroa com linha. A montagem foi de facto muito fácil.

Para dar um ar infantil, coloquei-lhe uma rena, da colecção de animais do Duarte, porque os meus filhos adoram estes detalhes. E eu também, confesso.


E falta um mês!

segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Revolução da Cidadania


Como já disse antes, não é porque os eleitores estão fartos de Política que se abstêm de votar; estão é, fartos dos políticos.
E o fenómeno não é apenas nacional, os espanhóis queixam-se do mesmo, por isso o PODEMOS ganhou a força que ganhou, num tempo record.

Estamos nós, impacientes, à espera de algo semelhante. De um cidadão idóneo e capaz, que avance, para juntos fazermos a revolução da cidadania.

quarta-feira, 19 de Novembro de 2014

Alimentos Germinados e os Seus benefícios

foto de Letícia

De há uns tempos para cá a minha preocupação com a alimentação aumentou. Para além das refeições vegetarianas duas vezes na semana, deixei de beber leite, que susbtituí por cevada e chá, e agora descobri os benefícios dos germinados. A Letícia já se juntou a mim, e devora os germinados como se de uma guloseima se tratasse. E é isso mesmo que sentimos!

E o que são alimentos germinados e quais os seus benefícios?

A germinação provoca reações bioquímicas no interior dos grãos e sementes que ajudam na redução dos antinutrientes (como o ácido fítico) e disponibiliza nutrientes essenciais que estão latentes. Isso significa melhor digestão, maior concentração e maior possibilidade de absorção de substâncias, em comparação aos grãos e sementes não germinados. Dentre os nutrientes importantes estão os antioxidantes, os ácidos graxos essenciais, as proteínas, as fibras, as vitaminas e os minerais.

São muitas as vantagens do consumo de alimentos germinados: elimina compostos inibidores de enzimas; aumenta o número de enzimas digestivas e de lignanas (compostos fitoquímicos similares ao estrogênio, que tem propriedades anticancerígenas, principalmente em relação ao câncer de mama e cólon);  melhora a qualidade do sono e a pressão arterial, entre outras propriedades.

No mercado, há alguns produtos do gênero à venda, como os do Sítio do Moinho (ver matéria nessa edição), mas você pode também arregaçar as mangas e fazer o seu próprio alimento germinado. 

Como produzir grãos germinados
1. Coloque de uma a três colheres de sopa de grãos em um vidro e cubra com água pura, sem cloro. 
2. Deixe de molho por uma noite (o girassol sem casca só precisa de quatro horas).  
3. Cubra o vidro com um pedaço de filó e prenda com um elástico. Despeje a água e enxague bem sob a torneira.  
4. Coloque o vidro inclinado num escorredor com a boca para baixo e cubra com um pano (o pano é opcional).  
5. Enxague duas vezes ao dia: de manhã cedo e à noite.  
6. Os grãos germinados estarão prontos para ser comidos ou plantados após um período variável:

Agrião: após seis a oito dias.
Alfafa: após três a quatro dias.
Arroz: após quatro a cinco dias.
Feijão azuki: após quatro a cinco dias.
Gergelim: após dois a três dias.
Girassol sem casca: logo que amolecer com a água.
Lentilha: após três a quatro dias.
Trigo: após dois a quatro dias.


In Planeta Orgânico

segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

A vontade do Universo

- Não vale a pena contrariar a vontade do Universo, disse-me o Duarte.
Não fosse a frase tese de defesa para uma futilidade sua, e eu seria a primeira a pensar que o meu filho é um filósofo embrionário, um sábio ou quiçá, um buda renascido.

O certo é que ficou a martelar-me na cabeça. A propósito de uma futilidade, ou de algo mais profundo, esta  frase vive nas entranhas da própria verdade. E lembrar-me disso é necessário, sobretudo, quando lutar contra a vontade do universo se torna  inútil e insensato.

sexta-feira, 14 de Novembro de 2014

Brownies de Maçã


Foto da Letícia

Que eu haveria de gostar imenso desta receita, já sabia de antemão; a combinação de maçã e canela é-me irresistível, mas que a Letícia, avessa a bolos de fruta, devorasse fatia após fatia... foi totalmente inesperado! De resto, ninguém lhes resistiu.

Um bolo húmido, com sabor a Outono, ou Inverno, que estes dias chuvosos e frios convidam a sabores reconfortantes. Para além disso, fácil e rápido de fazer! Em suma, uma receita a guardar, para repetir mais vezes.


Brownies de Maçã*
Ingredientes:
1/2 chávena de manteiga derretida
1 chávena de açúcar branco
1 ovo
3 maçãs médias - descascadas e cortadas em fatias finas
1/2 chávena de nozes picadas
1 chávena de farinha de trigo
1/4 colher de chá de sal
1/2 colher de chá de fermento em pó
1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio 

1 colher de chá de canela em pó

Como fazer:
Pré-aqueça o forno a 175º. Unte e enfarinhe uma forma rectangular. 
Numa tigela grande bata a manteiga derretida, o açúcar e o ovo até ficar um creme macio.  
Acrescente as maçãs e nozes. Num recipiente deite a farinha peneirada, o sal, o fermento, o bicarbonato de sódio, e a canela. Junte esta mistura ao creme anterior. 
Espalhe a massa uniformemente na forma e leve ao forno, cerca de 35 minutos no forno pré-aquecido

Desenforme e corte aos quadrados.

*Receita do All Recipes

quarta-feira, 12 de Novembro de 2014

Construir Intimidade entre Pais e Filhos

Acredito que, infelizmente, as relações entre pais e filhos adquirem o tom, desde muito cedo. E digo "infelizmente" porque é uma pena, sobretudo para aqueles pais que despertam a determinada altura, e querem reverter a situação, mas já não o conseguem.

Antes de ser mãe não tinha notado quão importante a intimidade era, e quão frequentemente ausente estava da relação pais/filhos. Uns e outros vivem durante anos na mesma casa, partilham acontecimentos, familiares e sentimentos, partilham conversas e emoções e ainda assim não conseguem alcançar a intimidade.

Se aplicarmos a própria definição do Dicionário da Porto Editora, constatamos que há um conceito geral, e outro mais refinado: "situado muito dentro, muito cordial, que goza de intimidade, particular, doméstico, amago, consciência, pessoa de intimidade."
Para mim, a intimidade entre pais e filhos que faz sentido é aquela que vem do amago, e está na consciência. Constrói-se exactamente por partilharmos um conjunto de factores, que apenas nos proporcionam a conjuntura necessária, dependendo finalmente do plano que desejamos realizar. E a cola que une todos esses factores, de forma a atingir a intimidade, é a aceitação.
Aceitar sentimentos, emoções, pensamentos, actos e opiniões, não descurando, com certeza, a orientação que acreditamos ser necessária à construção de uma personalidade com carácter. Porém, faze-lo com tolerância e compreensão.

Pais que constantemente julgam os filhos e os criticam de forma permanente, acabam por afasta-los. Levam-nos a fecharem-se cada vez mais. A procurar outras pessoas para as suas partilhas, e assim os amigos surgem com uma importância que nos parece desmesurada.
Pais e filhos acabam por partilhar somente o estritamente necessário, para o funcionamento normal da família. Assim sendo, a intimidade simplesmente não acontece.

A oportunidade de ouro, para alcançar a intimidade, começa sendo os nossos filhos bebés. Devemos agarrar esse fio delicado e não o soltar nunca mais. E só a nós  isso compete. É da nossa responsabilidade.

No fim de contas, eu posso muito bem estar equivocada e haver pais que conseguem apanhar o fio a qualquer altura, e ainda  a tempo de alcançar a intimidade. 
Uma coisa eu sei, desistir é que nunca!