segunda-feira, 24 de abril de 2017

A Baleia Azul e Por 13 Razões

Via

Nas férias de Páscoa a Letícia leu diversos livros, dentre os quais " Por 13 Razões", e depois disso viu a série. Quando as aulas começaram, ficou bastante espantada por todas as colegas conhecerem, e terem visto a mesma série; segundo ela, foi promovida por Selena Gomez, ao publicar fotos no Instagram com os actores da mesma, tornando-a instantaneamente em sucesso global.

A série trata da história do suicídio de uma adolescente, que antes grava em cassetes as razões pelas quais desiste de viver; as 13 razões, são basicamente pessoas que a maltrataram. Essas cassetes divulgarão nomes responsáveis por actos mais ou menos criminosos, e por isso muitos têm necessidade de bloquear a difusão dos conteúdos.

Quando  perguntei à minha filha se lhe parecia que a história promovia o suicídio, ela respondeu-me que dependia de quem lesse, e como quisesse interpretar; podia levar a pensar que a saída para estes problemas só poderia ser a morte, ou poderia levar a decidir ultrapassar os problemas, e viver. 

Entretanto, surge o desafio da Baleia Azul, que consiste numa série de 50 níveis, que os jogadores têm que fazer, e cada desafio mais malvado ou louco do que o outro, que culmina com o suicídio do jogador. Este jogo ainda não fez vitimas em Portugal, mas já fez várias no Brasil. 

Segundo a Letícia, a série, juntamente com o Desafio da Baleia Azul estão a lançar tendência entre os adolescentes. Infelizmente, a "moda" é muito perigosa, sobretudo numa idade em que os pequenos problemas adquirem proporções gigantescas, e a saída mais fácil é quase sempre a opção; escolher a morte, em vez de escolher ultrapassar os problemas.

Infelizmente, todo este cenário revela a conjuntura actual; o acesso de jovens demasiado imaturos, a informação vinda de fonte desconhecida, com propósitos dementes. Reflecte ainda uma realidade familiar que prima pela ausência de vínculos fortes, onde os jovens se sintam aconchegados e orientados. Onde partilhar inquietações seja seguro, acreditando que na família estão os aliados que os ajudam a ultrapassar os problemas.

Em idades reconhecidas pela Psicologia como complicadas, em que os jovens procuram privacidade e afastamento da família, conjuga-se o crescente respeito pela parte dos pais à privacidade reclamada dos filhos. Porém, estes já não ficam sozinhos dentro do armário; estão permanentemente ligados ao exterior. Reféns de sedutoras influências das quais os pais nem sonham.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Empatia e Informação

 
Via


Não há pior dor do que a de perder um filho. Ninguém contestará a frase, vulgarmente repetida, porém, nem todos os que a reptem são capazes de sentir empatia pela dor de quem perde. A empatia é relativa a si mesmo, imaginando-se a perder um filho. É à conclusão que chego, depois de ler os mais repetidos comentários, em essência, nos jornais que divulgaram a notícia da jovem que morreu com sarampo.

Acicatados pelos títulos dos jornais, com "Jovem não era vacinada", "Pais são anti-vacinas", saltam pisando quem já está de rastos, ignorando toda a história, a verdadeira versão, que certamente poucos sabem na sua totalidade.
Acredito que os pais querem o melhor para os seus filhos, e que é por isso que fazem, não sendo todavia, sempre o objectivo alcançado.

Não sou contra a vacinação, vacinei os meus filhos, contudo tenho reservas; questiono a utilidade e eficiência de determinadas vacinas, que antes foram promovidas como absolutamente necessárias, como por exemplo a da gripe H1N1. A da gripe comum então, nem vou mencionar! 
Como consumidores, temos direito à informação sobre as vacinas; como se fazem, como foram testadas, em quê ou quem, durante quanto tempo, e quais os resultados. E deve haver tempo para tudo isto, antes de colocarem as vacinas no mercado, e exortarem as pessoas a tomá-las. 

A Ciência não é um vilão ( longe disso), mas também não é o Deus que muitos querem dela fazer; nem tudo o que vem da ciência deve ser aceite como dogma, mas antes pertinentemente questionado.

O refrão "epidemia de sarampo" é repetido sistematicamente há semanas, pelos meios de comunicação; e este infeliz episódio, está a ser aproveitado para promover a vacinação através do medo. Não sendo a vacinação obrigatória, mas aconselhada, quer-me parecer que tudo isto não passa de uma campanha para mudar a situação.


quarta-feira, 19 de abril de 2017

Resgates do Feminino

 
Via

Essa visão feminina da guerra estava silenciada e esquecida. Quis fazer do seu livro uma forma de resgate, uma reposição da verdade histórica?
Durante 40 anos, tudo isto ficou na sombra. Depois da guerra, os homens assumiram os louros da vitória. Ou seja, roubaram-na às mulheres que sofreram tanto ou mais do que eles. Ao regressar à vida civil, elas encontraram uma sociedade onde havia poucos homens. Os ex-soldados eram vistos como heróis; mas as mulheres que combateram, não. Olhavam-nas com desconfiança. Chamavam-lhes coisas feias. Por isso, muitas delas ocultavam o facto de terem participado na guerra e até escondiam as medalhas, para poderem ter hipótese de casar. Muitas fizeram-no por uma questão de sobrevivência. Quando por fim me lancei à tarefa, nos anos 80, muitas delas disseram-me: "Porque demoraste tanto a vir ter comigo?"
                               Svetlana Alexievich, Nobrel da Literatura, in A Revista do Expresso, 11 Março 201

O caminho faz-se no presente, para diante, mas há também que ir lá atrás, limpar o pó, e desenterrando injustiças, repor verdades. 

 

terça-feira, 11 de abril de 2017

Viagens de Finalistas - A melhor semana da tua vida!

Já não se aguenta ler ou ouvir mais notícias relacionadas com a viagem dos finalistas. Aconteceu há dois ou três dias mas o pouco tempo tem sido intenso. E contudo, aqui estou eu, a discorrer sobre o assunto.
A maioria condena o comportamento/vandalismo dos estudantes, porém ainda há quem os compreenda e defenda ( a começar por alguns pais), e ainda quem questione a legitimidade do hotel que os acolheu. 
Em tudo isto, parece-me lógico que a verdade seja apurada; não vimos grandes estragos, mas também não vimos o hotel todo, apenas um quarto, creio eu. Quem de direito estará a fazer essa avaliação. 

O que me apraz dizer relativamente a esta lamentável história, é sucintamente o seguinte: Turismo alcoólico nunca dará bons resultados!

Todos sabem que os finalistas não vão para "destinos de praia". Há anos que vemos notícias à cerca destas viagens; dos desvarios, do consumo exagerado de álcool, de droga, e de acidentes dramáticos. Porém, ano após ano os finalistas revezam-se, e parece que agora também já vão alunos do 9º ano. O que se segue? Os finalistas do 2º ciclo? 
Estes miúdos não têm maturidade para fazer viagens sozinhos, muito menos quando a alcoolemia é o destino, e quando se concentram em grande número. 
Que pais, não têm disto a noção? A não ser que cada um destes pais diga para si mesmo que "o meu filho, não!". Apenas os outros se embebedam, e fazem asneiras. 

Aceitar que a melhor semana da vida é passá-la alcoolizado, alienado, e pagar para que os filhos possam viver essa experiência "única" ( para muitos pais a grande custo), é o primeiro erro. 
Aos miúdos "desculpa-se" com a idade, estão na idade da parvalheira, já se sabe; e aos pais, desculpa-se como? 

É uma lástima que a viagem de finalistas não seja aproveitada para fazer uma verdadeira viagem. Para a maioria, será a primeira saída de Portugal, e que desperdício então, não aproveitar para conhecer cidades histórias, monumentos protegidos pela Unesco, museus de gabarito, e obras que apenas conhecem dos livros e televisão. 

Uma viagem deste tipo mereceria todos os sacrifícios dos pais, seria louvável até. Por outro lado, suspeito que estas viagens não se realizam por uma simples razão - falta de interessados! 
Que pena.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Papas de Aveia com Cacau #Vegetariana

Decorei com muesli desta vez!

Não costumo comprar livros de Culinária, tenho uma meia dúzia deles, mas quase todos oferecidos; porém, fiz questão de comprar " A cozinha vegetariana - para quem quer ser saudável", da Gabriela Oliveira.
É o livro mais completo, melhor organizado, com mais informação ( relativamente à composição dos alimentos e quantidades necessárias na alimentação), e uma excelente representação de receitas ( desde bebidas, germinados, entradas, pratos principais, e sobremesas), simples e deliciosas, que já folheei.  
Testei várias receitas, todas com muito sucesso. Nele encontrei formas irresistíveis de oferecer fruta à Letícia; devora estas papas de aveia com enorme satisfação!

É de um livro que falo sempre com entusiasmo, e o único que aconselho. Feito por uma vegetariana, com três filhos pequenos ( que também seguem esta alimentação), que sabe com propriedade, e vive o vegetarianismo com convicção. 
Partilharei apenas esta receita simples, mas muito nutritiva e saborosa, espero que sirva de incentivo e queiram adquirir o livro. ( A propósito, no Jumbo/Auchan está a um óptimo preço-de editor)


Papas de Aveia com Cacau
Ingredientes:
1/2 chávena de flocos de aveia
1 1/2 chávena de leite vegetal
1 colher de café de canela em pó
1 colher de sobremesa de cacau ou alfarroba
1 pedra de sala marinho
1 banana madura ou pêra madura
1 colher de chá de mix proteico ( opcional)
fruta fresca para servir.

Como fazer:
Demolhe a aveia em água cerca de 30 minutos e escorra.
Coloque numa caçarola os flocos de aveia, o leite, a canela, o cacau e uma pedra de sal. Misture bem e junte a banana picada ou esmagada. Leve ao lume por cerca de 5 minutos ou até engrossar. Adicione o mix proteico e misture bem. Sirva morno com fruta fresca a gosto.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

14 Propostas para as férias de Páscoa

Primeiro dia de férias de Páscoa! Hoje é apenas para dormir até mais tarde e preguiçar, sentir que a escola acabou e as férias começaram. Porém, depressa o tempo livre se revela insatisfatório, se não houver, pelo menos, propostas do que fazer nos próximos dias. Todos precisamos de motivação.

Propostas para as férias de Páscoa

1. Fazer um piquenique ( se o tempo permitir, o primeiro do ano).
2. Passar pela Biblioteca, para requisitar livros.
3. Ir à Livraria, para comprar pelo menos um livro.
4. Fazer algum doce de Páscoa. Para comer ou oferecer. Amêndoas caramelizadas, aqui.
5. Visitar um Museu ( nem precisa de ser longe, muitas vezes não conhecemos aqueles próximos de nós).
5. Fazer uma viagem de comboio ( as nossas preferidas!).
6. Ir ao Cinema. 
7. Fazer Arte de Páscoa. Pintar uma tela, fazer um centro de mesa, etc. para decorar a casa.
8. Convidar amigos para um lanche; pequeninos em casa, maiores podem encontrar-se numa Pastelaria.
9. Fazer um passeio pela Natureza, num Parque, num bosque, pela praia. 
10. Andar de bicicleta.
11. Visitar uma exposição de arte, e conhecer um artista ( informar-se sobre ele).
12. Assistir a um concerto de música.  
13. Pintar ovos.
14. Participar de uma actividade Pascal*. Visitar uma igreja, ver uma procissão, etc. Afinal estas férias têm uma origem, convém que a conheçamos. 

E boas férias! 

* Programação da Semana Santa em Braga

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Filhos com asma?




No fim-de-semana fiz uma caminhada com a Letícia, e a determinada altura do percurso uma rajada de vento trouxe uma nuvem de pólen que nos envolveu e seguiu. Pensei imediatamente que se o Duarte estivesse ali, ficaria preocupada, apesar de nos últimos anos as crises terem acalmado. Porém, há tantos pais que sentem esta preocupação, sobretudo com a entrada da Primavera!

Em Portugal há cerca de um milhão de pessoas que sofre de asma. As crises podem ser desencadeadas por ácaros, pólen das flores, árvores e arbustos, pêlo de animal, determinados medicamentos, e stress. Outros factores agravam a asma, como o tabaco, a poluição, perturbações emocionais, mudanças bruscas de temperatura, ou infecções respiratórias.

Segundo a investigadora Sílvia Rocha, mãe de uma menina asmática, e autora do livro "Descomplicar a Asma", esta doença não implica nenhuma limitação física, quem quiser, pode até ser campeão olímpico. 
No caso da filha, que sofre de asma provocada pelos ácaros, "a casa deve estar sempre muito limpa, arejada, sem muitos elementos decorativos que permitam a acumulação do pó, e sem tecidos ou carpetes". Sem livros, nem peluches no quarto, vale à pequena o truque da mãe, que coloca o peluche no congelador durante o dia, para poder dormir com ele à noite.
 
Diz a investigadora que é importante saber qual o tipo de asma de que se sofre. Sugere que os pais tenham um caderno onde façam anotações, para mostrar ao médico, e para o próprio doente se informar. Sugere uma alimentação  rica em oxidantes, frutos e vegetais frescos,  com vitaminas C, E e b-caroteno. 
Quanto ao resto, diz "é levar uma vida saudável, ao ar livre, e ser feliz".

Fontes:
Revista do Expresso 10/Setembro 2016
CM Jornal
 

quinta-feira, 30 de março de 2017

Reciclar Roupa

 
Via

Há uns anos, quando surgiram as famosas lojas dos chineses, muitas pessoas começaram a comprar aí roupa e calçado, dizendo que os baixos preços compensavam a baixa-qualidade; que não importava que a roupa se degradasse após algumas lavagens: deita-se fora, e compra-se outra. Também se variava! 
Algum tempo depois, notícias sobre alergias que estas roupas causavam, e más experiências vividas na pele, literalmente, derrotaram esta tendência.
Porém, as grandes cadeias de vestuário também oferecem roupa muita barata ( que, a propósito, também se degrada rapidamente); aliada a uma moda sempre muito actual, com uma grande rotação por estação, oferecendo pelo meio promoções fora de época. Enfim, um pacote irresistível! Que nem sequer foi beliscado pela notícia de um grupo de blogguers de moda, que após visitarem fábricas de roupa em países asiáticos, voltaram indignados com as condições de trabalho que viram. A noticia correu mundo, tornou-se viral, mas depressa caiu no esquecimento. 
As montras são apelativas, os preços igualmente, e as pessoas têm que se vestir, não é? 

Contudo, as marcas sabem que os consumidores estão cada vez mais atentos ao ambiente e impacto que as indústrias têm nele. Escolher uma via que tenha isso em conta é marketing ético, e publicidade é publicidade!

Foi pioneira em 2013, a H&M, ao colocar contentores nas lojas para recolher roupa que os clientes já não usam. Isto deu qualquer coisa como 22 mil toneladas. Seguiu-se a Zara, nas principais cidades espanholas. 
A ideia é voltar a vestir a roupa (em lojas de segunda mão), transformar noutros produtos, e transformar em fibras têxteis para produção de novas peças de roupa. 
Quando 95% da roupa deitada ao lixo pode ser reciclada ou reaproveitada, este projecto torna-se gigantesco e com impacto ambiental digno de nota. 

O conceito das lojas ecoeficientes estende-se à baixa do consumo da água e electricidade, às emissões de dióxido de carbono ( na produção e transporte), às lixeiras e aterros ( destino final). As cadeias multinacionais pretendem implementar este conceito em todas as lojas por todo o mundo. É um investimento de milhões, que sem dúvida trará também às empresas dividendos, seja em forma de economia, seja pela publicidade. 
Posto isto, não deveríamos nós, consumidores, fazer o mesmo? Reduzir no consumo, fazer escolhas mais criteriosas, tendo em conta a produção dos materiais, preferir o Made in Portugal, pagar mais para guardar as boas peças mais tempo. Sentir que as corporações aliviam a nossa consciência, é resultado da publicidade; eles fazem a parte deles, nós fazemos a nossa. 

Via
The huffingtonpost
Revista Ponto Verde , Janeiro-Fevereiro-Março 2017

terça-feira, 28 de março de 2017

Inveja

Via

Contou-me uma senhora, que após uma sucessão estranha de eventos desagradeis e problemáticos ( já se deram conta que costumam vir por ondas?), decidiu consultar uma vidente. Não podia ser, tanto azar! Não era normal. 
Portanto, na falta de lógica, e ausência do racional, onde se procurarão razões que nos esclareçam? Onde a razão não precisa de existir per se, outros argumentos de ordem superior, sobrenatural digamos, preenchem as lacunas. 
O problema aqui era o habitual: mal de inveja. Muita energia negativa para cima da família, dos carros, da casa. Não que a família se ostente acima das outras, mas segundo as experts, não é preciso, há pessoas que possuem mau-olhado e nem sequer sabem. E por vezes, basta-lhes olhar para uma planta admirando-a, que a murcham. Uma simples planta!

Histórias destas ouvem-se de longe a longe. O que me espanta sempre, é não ter ainda ouvido contar que a vidente acuse de inveja quem a procura.   
E certamente, também não serei eu a fazer a acusação.  

sexta-feira, 24 de março de 2017

Hambúrguer de Couve-Flor



Aqui está uma forma de pôr crianças a comer couve-flor sem queixas, e muito pelo contrário, com grande satisfação. Que o diga o Duarte, que já não sendo propriamente criança, mas que nunca gostou deste legume, nem sequer sendo propriamente adepto de comida vegetariana, se rendeu a estes hambúrgueres incondicionalmente. 
De fácil e rápida confecção, são deliciosos!



Hambúrguer de Couve-Flor 
Ingredientes:
Um pé de couve-flor
Dois ovos
Uma chávena de queijo mozarela
Sal e pimenta

Como fazer:
Picar a couve-flor crua, no processador, até ficar com aspecto de farinha; juntar os ovos batidos, o queijo e o sal e pimenta a gosto. Envolver tudo.
Untar com azeite uma sertã anti-aderente e aquecer; colocar a massa obtida às colheradas ( com a colher do gelado), e alisar com ajuda da pá de cozinha, fazendo o formato de hambúrguer. Deixar fritar em lume moderado cerca de 5 minutos de cada lado. Colocar queijo num dos hambúrgueres, pôr o outro por cima e deixar derreter. 
Servir com uma salada, e molho de alho,  o nosso sabor favorito nestas coisas de hambúrgueres.

quarta-feira, 22 de março de 2017

🎵Who run the world? Girls! 🎶

 
Via Renascença

E quando se fala das conquistas dos direitos das mulheres, como se efectivas fossem, e nos deparamos com uma página destas, onde as referências são apenas masculinas ( com excepção para Madame Le Pen e uma motorista da Uber), vê-se que pensar que estamos quase lá, não é senão música para nos entreter.

segunda-feira, 20 de março de 2017

A evolução do "sexting" ?


Via

"Sexting" resulta da junção das palavras sex + texting (sexo + envio de texto), para designar o envio de imagens de jovens com pouca roupa ou eróticas, através dos telemóveis ou computadores. 

Resultado do acesso fácil e privado à Internet, este fenómeno passa um pouco alheio aos pais e adultos, que frequentemente nem sequer imaginam o que os filhos fazem. Normalmente, a pratica de sexting faz-se entre namorados, porém quando estes acabam, ou se zangam, o que era privado, torna-se público, resultando num enorme embaraço e vergonha difícil de suportar, ou pior ainda, em bullying.

Todavia, é uma prática que está a vulgarizar-se, e a sair da esfera dos conhecidos. Devido à facilidade com que as pessoas se conhecem nas redes sociais, começando a interagir com uma naturalidade que não é reflexo da vida real, os relacionamentos à distância depressa se tornam íntimos. 

Esta constatação é do conhecimento comum, e os grupos criminosos já compreenderam a potencialidade deste mercado. Funcionam como call centers, em África e Ásia, utilizando fotos falsas e roubadas nos perfis, como engodo nas seduções cibernéticas. Ganham a confiança das vítimas, gravam as imagens comprometedoras, e fazem chantagem:  -Para não as tornar públicas, tens que me pagar xxx€!

A inexperiência e credulidade dos jovens, torna-os alvo fácil para quem pretende ganhar com esquemas fraudulentos e praticamente isentos de risco. 
Nestes casos, a vergonha é maior, a necessidade de manter o segredo é vital. Portanto, quando a disponibilidade financeira não existe, a saída pode ser o suicídio. 
A Polícia diz que este tipo de crime está em expansão, e que a resposta é a prevenção; conversar com os jovens e alertá-los para estes factos, mostrar-lhes notícias, partilhar casos. E sobretudo dizer-lhes que em situação alguma estarão sozinhos; tranquilizá-los para que conversem, procurem conselhos com algum adulto.

O mundo tecnológico está a mudar demasiado depressa, não nos dando tempo para prever determinadas situações, nem antever respostas. Temos que nos adaptar, permanecendo vigilantes e com o sentido crítico alerta.

quinta-feira, 16 de março de 2017

A caminho da Escola



Há uns tempos circulou nas redes sociais um artigo intitulado como "os caminhos para a escola mais perigosos do mundo", que era de facto impressionante. Acompanhado de imagens, o texto tornava-se mil vezes mais eloquente, pouco deixando à imaginação.  Certamente essa dura realidade fez pensar muitos de nós, pais preocupados, que acompanhamos os filhos à Escola diariamente, transportando-os de carro em trajectos de 10 minutos. Um passeio doce, contrastando com outras realidades.
Entretanto, encontrei por acaso "A caminho da escola", um documentário de Pascal Plisson no TVCINE2, que partilha as tais realidades duras e perigosas, para crianças que vão à escola. O Jackson de 11 anos, e a irmã, do Quénia, que percorrem 15 km, durante 2 horas diariamente, por terrenos selvagens, correndo perigo de vida devido aos elefantes. 
A Zahira, de 12 anos do Alto Atlas em Marrocos, que todas as segundas-feiras caminha 22 kms, durante 4 horas, por caminhos inclinados, estreitos e pedregosos. 
O Carlitos e a irmã, da Patagónia, que cavalgam os 18 kms, por 1h30 todas as manhãs, através de carreiros solitários feitos pela natureza, inclinados e escorregadias.
E o Samuel da Índia, de 13 anos  e paralítico, com os dois irmãos mais novos, que fazem 4 kms em 1h15 para chegar à escola, através do terreno arenoso, no qual a cadeira de rodas é puxada pelos irmãos pequenos.

Todos eles enfrentam forças verdadeiramente dissuasoras, porém preserveram,  aprumam-se, preocupam-se com a pontualidade e os resultados, e são óptimos alunos. Têm sonhos bonitos, de sucesso e solidariedade, e contra todas as probabilidades acredito que os alcancem, pois dão provas de uma vontade indómita.  Vontade essa, que falta muitas vezes aos nossos filhos, que tendo todos os confortos e facilidades, nada valorizam, e nada desejam. 
Um documentário excelente, para ver em família.

segunda-feira, 13 de março de 2017

O exemplo vem de cima?

 
Via

"Um estudo sobre hábitos tabágicos, que envolveu 3289 alunos do 7º ao 12º ano de 20 escolas de Coimbra , revela que 21% dos estudantes fumam - e que metade o faz regularmente ( meio maço de cigarros/dia). Ainda segundo os resultados da investigação aproada pelo Ministério da Educação, a maioria dos alunos fumadores ( 51.9%) diz que os pais fumam em casa. Para a Fundação Portuguesa do Pulmão, a sensibilização familiar é por isso fundamental."
In revista Sábado, 19-25 de Novembro de 2015

A mim serviu-me de exemplo ao contrário, porém para o meu pai o exemplo do seu foi seguido. Dizia-me ele que na época fumar estava na moda, que dava um certo status, e que não se falava de como era mau para a saúde. Tinha  estas desculpas e justificações, embora então já soubesse que fumar poderia ser um vício fatal, e para ele foi.
Actualmente, não há desculpas nem justificações que isentem os fumadores; a informação está amplamente difundida, os avisos de que o tabaco vicia mais do que o haxixe, e causa mais danos são divulgados periodicamente.
Portanto, fazem mal a si mesmos os fumadores, com a conivência da Lei, e apenas nisso poderão encontrar desculpa.   

sexta-feira, 10 de março de 2017

Caril de Coco Fácil #Vegetariana


É uma refeição tão boa, fácil e rápida! 

 Caril de Coco Fácil *
Ingredientes
1 colher de sopa (15 ml) de óleo de coco ou azeite

1 cebola pequena, picada
4 dentes de alho picados      
1 colher de sopa de gengibre ralado  
1 copo de pés de brócolos
1/2 chávena de cenoura cortada em cubos
1/4 chávena de tomate em cubos 
1/2 chávena de ervilhas de quebrar    
1 colher de sopa (8 g) de caril em pó
Uma
Pitada de pimenta caiena ou 1 pimentão vermelho seco, cortado em cubos conforme o gosto de picante

2 Latas (396 g) de leite de coco 
1 chávena (240 ml) de caldo de vegetais
Sal marinho e pimenta preta a gosto 

Quinoa:1 lata (396 g) de leite de coco
1 chávena (170 g) de quinoa branca

Sumo de limão fresco, coentros, hortelã e / ou manjericão, flocos de pimenta vermelha


Como fazer:  
Comece por lavar cuidadosamente a quinoa em água corrente, através de um coador fino. Cozer a quinoa numa caçarola, com uma chávena de leite de coco e uma chávena de água, e uma pitada de sal. Reduzir o calor depois de ferver, e cozinhar por 15 minutos ou até que a quinoa fique leve e fofa, e o líquido absorvido. Reserve até servir.
    
Enquanto isso,
coloque 1 colher de sopa de óleo de coco, ou azeite,  numa panela grande. Adicione a cebola, alho, gengibre, cenoura, brócolos e uma pitada de sal e pimenta, e mexa. Cozinhe, mexendo com frequência, até amolecer - cerca de 5 minutos.
    
Adicione o caril em pó, pimenta de caiena (ou pimentão), caldo de vegetais, leite de coco, outra pitada de sal e mexa. Deixar ferver, reduzir o lume ligeiramente e continuar a cozinhar por 10-15 minutos.
    
Adicione as ervilhas e tomates nas últimas 5 minutos para que eles não cozam demais.
    
Prove e ajuste os temperos conforme necessário.
    
Sirva sobre a quinoa de coco e decore com sumo de limão e ervas frescas.


* Blogue Minimalist Baker

quarta-feira, 8 de março de 2017

Sofonisba Anguissola - Uma feminista Renascentista

via
Sofonisba Anguissola nasceu em 1532, primogénita de 7 filhos, em Cremona, Itália, no seio de uma família da baixa-nobreza. Recebeu uma educação esmerada, incluindo aulas de pintura, assim como as suas irmãs ( eram 6 raparigas). Aos 22 anos numa viagem a Roma conhece Michelangelo, que logo reconhece o seu talento, e a orienta informalmente, cerca de dois anos. 


Na época, as mulheres estavam reduzidas à pintura religiosa, de naturezas mortas ou retratos, tendo-se dedicado a este último. Porém, impedida de recorrer a modelos masculinos para as suas pinturas, usava os membros da família capturados em momentos domésticos, com objectos que definem as suas personalidades. Nos auto-retratos, numerosos ao longo da sua vida (e invulgares para a época, apenas posteriormente se tornariam comuns), também fez o mesmo, revelando-se pela imagem.



Por sugestão do Duque de Alba, a quem pintou um retrato, foi convidada por Filipe II para a corte espanhola, como aia da rainha. Pintou o retrato de  Isabel de Valois, mulher de Filipe II, ela própria pintora amadora, descobrindo-se posteriormente que também pintara o famoso quadro do monarca, atribuído durante muito tempo a Alonso Sanchez Coello, e inúmeras vezes copiado



Casou aos 38 anos, com o filho do vice-rei da Sicília, enviuvou passados 7 anos, e voltou a casar com um nobre genovês, que a apoiou na sua carreira de pintora. Viveu confortavelmente em Génova e Palermo, como artista e patrona das artes, onde a visitou Van Dyck, que a retratou com de 92 anos, mas ainda lúcida. Morreu aos 93 anos de idade.

Deixou cerca de 50 quadros, espalhados por diversos museus europeus e Estados Unidos

Sofonisba Anguissola, sendo a primeira mulher pintora que alcançou fama e respeito, abriu o caminho a outras mulheres pintoras, que inspiradas pelo seu sucesso, ousaram tentar a sorte numa arte dominada pelos homens.

- Chapeau

Fontes:
Wikipédia
Britannica
Museo del Prado 
Unicamp

segunda-feira, 6 de março de 2017

Prato vegetariano nas escolas, e " - Os meus pais não me deixam!"



Sempre acreditei que um dia a minha filha seria vegetariana. Tinha tudo o que a motivava para dar o passo: empatia pela filosofia por detrás da alimentação, e interesse pela minha dieta, que escolhia mais vezes do que qualquer outro membro da família.
Pensei que fosse uma questão de tempo, como aliás é para todos, mas confesso que nunca pensei que fosse tão rápido. Em Novembro do ano passado disse-me que aderia, definitivamente, ao vegetarianismo.

A Letícia sabe que pode desistir quando entender, fazer pausas, ou prevaricar se outro prato lhe agradar, e que não me decepcionará, pois respeito o seu caminho. Terei sempre orgulho nela. Mas entretanto, vejo que o processo está a decorrer com normalidade; gosta de todas as comidas vegetarianas que cozinho, embora tenha as suas preferidas. Já não pergunta inquieta, o que vai ser o almoço, ou jantar, quando chega da escola; sabe que seja o que for, gostará.

Há, contudo, dias problemáticos. Devido ao horário lectivo apertado, um dia da semana em que almoça na escola. E, ocasionalmente, participa em campeonatos de Rope Skipping, todo o dia. Ora, acontece que nestas ocasiões a opção vegetariana, não existe. Tem que levar o seu almoço, ou optar por uma refeição fragmentada, comendo apenas o que pode, daquilo oferecido.

No ano passado, creio eu, a DGS divulgou um manual de alimentação vegetariana em idade escolar, porém a informação foi dirigida às famílias, mantendo-se as Escolas à parte. As medidas devem ser mais assertivas para que mudanças ocorram, e esta lei, aprovada na sexta-feira, que torna obrigatório um prato vegetariano em todas as cantinas públicas, vem mudar, finalmente, a situação. E nós regozijamo-nos com isso.

Estes passos demonstram que a dieta vegetariana é pelo menos uma opção tão válida como a omnívora, e que as pessoas têm o direito de optar. Espero que assim se vá desconstruindo a ideia de que apenas a dieta omnívora é garante de saúde ( a propósito, será mais o contrário, ver aqui, sendo o consumo de carne relacionado a doenças, OMS dixit, ver aqui). E é, também, uma possibilidade que se abre a muitas crianças e jovens, que enfrentam oposição e preconceito familiar. Porque há crianças que dizem querer ser vegetarianas, mas os pais não permitem.

Educar com consciência envolve respeito pelo sentir e querer dos filhos. E creio, que embora a motivação parental seja boa, nem sempre é a mais ética e justa. Estamos minados com preconceitos, fossilizados em formatações de décadas, esquecidos das nossas próprias essências, e ainda assim nos julgamos soberanos na educação dos filhos. Vai sendo hora de questionamentos, de reflexões e mudanças. A Lei dá um empurrão, mas temos nós que fazer o resto.    

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Fantasia de última hora!


Algumas são fáceis, outras muito básicas, algumas são muito engraçadas, outras são fofíssimas, mas são todas originais, como só as fantasias feitas em casa conseguem ser. 
Recurso de última hora, projecto de fim-de-semana, desafio para a família. You pick! 

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Distúrbio alimentar?



Bolo sem farinha, sem leite, sem manteiga, sem ovos e sem açúcar é do mais saudável que há! 
E dá nisso... Um-sem-bolo.

Estes dias, estalou uma polémica nas redes sociais quando Rita Lobo, a autora do blogue A Panelinha, criticou o tratamento da alimentação como medicamento. Tudo isso deu origem a um debate entre nutricionistas, médicos, cozinheiros ( ou direi chefs?), e sobretudo consumidores. 
 
A comida é para nos alimentar sim, mas serve também para nos confortar e dar prazer, ora essa. O problema está na quantidade, no exagero. 
 
- Ah, e por favor, a minha fatia de bolo vem com tudo o que eu tenho direito! Obrigada.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

"Para mim os filhos são todos iguais!"




- O que determina a forma como as pessoas reagem a um problema?

- Pensamos que é uma combinação de factores, onde a genética tem um peso forte. Há pessoas mais sensíveis, empáticas, que sabem ler os outros. Mas se estas pessoas crescem em ambientes menos adequados, com pais que não os percebem, tratando-os como se fossem robustas, desenvolvem-se estes problemas de regulação das emoções, que começam na adolescência e vão até à idade adulta. É preciso que os pais tratem os filhos de acordo com as suas características. Não se deve obrigar uma crianças mais sensível a ser robusta e dura. 
Lars Mehlum, psiquiatra, in revista Visão, 10-06-2015

Os filhos não são todos iguais, e consequentemente não devem ser tratados de igual modo. Apenas igualmente amados.  

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Pataniscas de Mandioca e Espinafres #Vegetariana


Nunca tinha cozinhado mandioca, mas queria muito experimentar esta receita, do Cantinho Vegetariano, e gostei bastante. A principio a consistência "colante" da mandioca deixou-me apreensiva, mas ainda assim foi fácil moldar as pataniscas.
Fiquei surpresa com o resultado, e certamente encorajada a experimentar outras receitas com esta raiz.

A mandioca é rica em potássio, fibras, folato e fonte de vitamina C; é ainda a terceira maior fonte de carboidratos, depois de arroz e milho, dos trópicos. 

Pataniscas de Mandioca e Espinafres

Ingredientes: 
2 chávenas de mandioca cozida e amassada
1 molho de espinafres (só as folhas)
1 colher (sopa) de azeite 

Sal e alho picadinho a gosto

Como fazer:  
Lave o espinafre, ferva um pouco em água quente, e depois esprema bem para sair toda a água. Refogue os espinafres com o alho, azeite e sal. Misture a mandioca amassada com os espinafres refogados, modele uma bolinha e depois achate. Frite numa frigideira antiaderente com um fio de azeite até ficarem douradinhos.
Servi com arroz branco, seco. 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Olha os puritanos!

Tenho notado que ganha força o discurso arrasador, o que desconstrói tudo aquilo que supostamente foi exaltado e dado como exemplo, durante muito tempo. Se aparece uma mãe a dizer que detesta a maternidade, logo um grupo de mães a segue, anuindo e celebrando o facto de finalmente haver uma mãe sincera, que diz as verdades e quebra tabus. 
Se outra diz que o bebé chora tanto que lhe apetece atirá-lo pela janela, outras tantas, ou as mesmas, aparecem a aplaudir, é isso mesmo, a maternidade é assim, temos momentos em que ficamos loucas, porque isto é demais! 
Estes textos tornam-se virais, repletos de comentários e likes.
Ninguém acha nada disto alarmante, pelo contrário, é tudo muito saudável, e expurgatório. E por aqui é que é o caminho!

O caminho que faz o inverso, está obviamente fora de moda, porque não acompanha os tempos, e as mentalidades soltas e livres. É criticado, desprezado e parodiado.

Portanto, se um grupo de pais está atento, às leituras aconselhadas pelo P.N.L, e se indigna e espanta com passagens de determinado livro, para alunos dos 12 aos 15 anos, devido ao "forte" cariz sexual, está mesmo a pedi-las. 
Que cambada de puritanos! Gente, isto é apenas educação sexual, que aliás os meninos já têm na escola! Ou então, simplesmente desconhecem os filhos, que com esta idade já sabem de cor o Kama Sutra de trás para a frente, e de cima para baixo. Acordem, pais! Que riso que estes pais, coitadinhos, nos dão!  Pensar que têm anjinhos em casa e já têm uns grandes sabidolas. Patéticos...
E caíram que nem patos, quando alguns filhos se mostraram chocados com o tal trecho! Não viram que era tudo encenação?! Dáhh! ( ainda se diz dáhh? Espero que sim, queria tanto que este post fosse fixe e moderno!). 

Se querem defender a ideia, que apresentem argumentos plausíveis, que façam sentido, num discurso idóneo; convençam por aí. Em vez disso, atacam pessoas, insultam sem problemas, que como se sabe, também é uma das formas de terminar o debate. 

Não sou puritana, mas sou conservadora, e aquele trecho, porque não li o livro, desagrada-me enquanto leitora, não é o tipo de livro que gosto de ler; portanto, nunca o aconselharia aos meus filhos. Penso eu que ainda tenho o direito de orientar, escrutinar e permitir ou não, as leituras que os meus filhos fazem; e já agora, entre 12 e 15 anos vai uma grande diferença! 

A arte deveria servir para inspirar, para nos elevar a patamares superiores; assim se espera da literatura. Porém, desde que surgiu a cultura pop, a ideia subverteu-se; o que daqui rasteja, conduz-nos para a sarjeta da humanidade. E o pior é que a sarjeta vai alargando, e tomando conta da estrada, empurrada por likes e shares