terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Resoluções de Ano Novo


Via
No fim de cada ano, é normal fazermos um balanço dos 12 meses passados; com sorte, o saldo é positivo, apesar de algumas contrariedades que acontecem inevitavelmente. Para mim é positivo, desde que a minha família esteja cá toda, ainda que com alguns problemas, mais graves ou menos, de saúde. Esses são os aspectos inevitáveis. Há, porém, uma série de grandes e pequenas coisas que vão acontecendo ao longo do ano, pelas quais devemos sentir-nos gratos. Para mantermos esses momentos na memória, sugiro a criação de um projecto ao longo do ano: vá colocando num frasco pequenos bilhetes que contam esses momentos, para no final do ano os reler.

Via
O balanço serve-nos de guia para o ano que inicia, levando-nos a melhorar aspectos da nossa vida que necessitam aprimoramento, ou orientar-nos para algum foco que descuramos. É uma espécie de roteiro que aponta a meta desejada. E todos nós temos metas que desejamos alcançar, seja perder peso, aprender uma língua, encontrar um trabalho, economizar mais, viajar para algum sítio, etc.

Mas porquê no Ano Novo? Um ciclo termina e outro começa, como se nos fosse renovada uma licença para recomeçar, ou dada uma segunda oportunidade. É algo psicológico que influencia o nosso potencial e nos leva a acreditar que esta é "a" aportunidade. E nos dá aquele input. Exactamente por isso, há uma grande quantidade de pessoas que, nesta época, faz uma Lista  das suas Resoluções de Ano Novo.

É, efectivamente,  uma óptima altura para definir uma lista de Resoluções. Após reflexão, escreva os objectivos num bloco, para começar a torná-los reais, e vá relendo a lista diariamente, para manter o desejo de a realizar e, claro, trabalhe nesse sentido. Um passo de cada vez, ainda que pequenino, e é assim que se faz o caminho!

Se está com falta falta de ideias para Resoluções de Ano Novo, veja a Lista da Deco.Proteste, que está muito boa.

E tenha um Feliz 2014!

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

€Presente€ de Última Hora


Conforme o tempo passa a nossa liberdade para presentear os mais novos da família vai diminuindo. Já nada lhes interessa, a não ser o "vil metal", para comprarem isto ou aquilo, ao gosto deles. E como mais vale assim, do que oferecer algo que não tenha uso, lá terá que ser!

Mas os envelopes são tão enfadonhos. Mal os vislumbram já sabem o que contêm; onde está a magia do momento, então? Não me conformo com tamanha vulgaridade, e por isso procuro sempre alternativas interessantes, para camuflar um presente óbvio, como as azulinhas.

Esta opção, para além de ser gira, é muito gostosa. Aposto que vai ser um sucesso, a julgar pelos meus filhos, que já a elogiaram diversas vezes.

E qualquer dia, serão eles os destinatários deste tipo de presente. Mas por agora, deixem-me desfrutar dos presentes embrulhados debaixo da árvore de Natal, ainda com cheirinho a mistério...

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Presente de Natal: Mistura de Cacau Quente Caseira


Cá em casa gostamos imenso de chocolate quente, é daquelas bebidas reconfortantes de Inverno. Mas que demora algum tempo a preparar, e por isso, quando vi esta receita, guardei-a, para ser testada num dia frio. O sucesso foi tal, que as crianças não me têm pedido outra coisa, ao pequeno-almoço, lanche e por vezes, à noite, antes de irem para a cama.

Como a quantidade da receita é generosa, deu para partilhar com amigos, a modo de presente de Natal.

Mistura de Cacau Quente Caseiro
3 Chávenas de leite em pó
2 Chávenas de açúcar em pó
1 1/2 Chávena de Cacau magro
1 1/2 de Chávena de pepitas de chocolate
1/4 de Colher de Chá de sal

Misturar tudo num recipiente largo e passar metade para uma misturadora, ou processadora, até ficar tudo totalmente misturado. Colocar num recipiente hermético. Fazer o mesmo com a restante mistura.

Para fazer o Cacau Quente, misturar 1/3 de chávena com a mistura de cacau, para uma chávena de leite.
Colocar em caixas ou frascos, atar com fita e pronto. Mais um presente home made. 

Simples, não é? E delicioso. 

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Cheirinho a Natal Com Um ambientador Natural



O Natal tem cheiro? Tem pois, e é tão bom... !
Para mim o Natal tem um odor doce, a canela e outras especiarias, e a Vinho do Porto. Cá em casa, todos os Natais o cheiro próprio desta época está presente, porque ainda que não festejemos o Natal em casa, faço sempre algumas das sobremesas tradicionais para levar.

No ano passado, já de viagem, fomos visitar uns familiares para lhes desejarmos um Feliz Natal, e quando entrei em casa deles, apesar da decoração natalícia, não cheirava absolutamente nada a Natal. Como estranhei, comentei, e a resposta foi que como iam passar o Natal a casa de parentes, não tinham preparado nenhuma das sobremesas habituais. Achei triste....uma casa sem cheiro a Natal!

Então, proponho este ambientador natural, de Natal:
Num tacho coloque água, com um pouco de Vinho do Porto, laranja cortada às rodelas, cravinho, paus de canela e romã. Deixe ferver, e a fragância vai espalhar-se pela casa, proporcionando lindas reminiscências de Natal!

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Presentes Portugueses


Todos os Natais envio aos nossos amigos estrangeiros alguns "miminhos" made in Portugal, para lhes levar aromas e paladares únicos. E eles apreciam imenso. É algo que me dá muito gosto, partilhar os nossos produtos  pelo Mundo afora. 

Recentemente, fui convidada para a inauguração oficial da Loja das Conservas*, e apesar de me ser impossível comparecer, não posso deixar de partilhar e promover uma loja que reune 17 conserveiras e comercializa mais de 300 referências; com a intenção de  promover o consumo de conservas nacionais junto dos consumidores portugueses, ao disponibilizar um produto de qualidade reconhecida, ambientalmente sustentável e saudável, a um preço acessível.

A nossa indústria conserveira tem uma tradição que merece ser mantida e apoiada, com muito orgulho. Seja para a despensa, seja para os presentes de Natal!


*Rua do Arsenal, 130, Lisboa

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Realizar Um Desejo



Com certeza já ouviu falar da Make a Wish, mas sabe ao certo o que é?

“A missão da Fundação Realizar Um Desejo, afiliada portuguesa da Make-A-Wish®Internacional, é realizar desejos de crianças e jovens, entre os 3 e os 18 anos, com doenças graves, progressivas, degenerativas ou malignas, para lhes levar um momento de alegria e esperança.
Para uma criança gravemente doente, ver o seu desejo realizar-se significa que nada é impossível, significa recuperar a esperança e a força para continuar a lutar, significa poder esquecer por uns momentos a sua doença e ser simplesmente uma criança.”

Este projecto é muito emocionante e merece todo o nosso apoio. Para tal, basta contribuir adquirindo presentes na Fundação, que vão de 1€ a 50€, desde as estrelas, canetas e cachecóis, passando pelo voucher solidário. 

Onde? Na loja online ou através da página no FB

Assim sendo, acrescento esta proposta à minha lista dos 21 Presentes De Natal Significativos!

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Receita para o fim-de-semana: Chocolates de Leite Com Noz e Sultanas


Esta combinação surgiu-nos quando eu e a Letícia petiscavamos nozes e sultanas, e a minha filha se lembrou ( tinha que ser ela!), que ainda ficaria mais perfeita, se juntassemos chocolate!

É daquelas receitas boas para serem feitas por crianças, e torna-se um óptimo presente de Natal.

Chocolates de Leite Com Noz e Sultanas
Ingredientes:
200 gr de chocolate de leite em pastilha
Nozes e Sultanas a gosto

Como fazer:
Derreter o chocolate em banho-Maria, e juntar-lhe as nozes e as sultanas picadas. Envolver tudo e colocar em formas de bombons ou simplesmente em papel-manteiga, fazendo o formato que se quer.
Deixar arrefecer 15 minutos, e levar ao frigorífico cerca de meia hora.
Desenformar, ou partir aos boacadinhos, e embrulhar com amor. E fitas!

Deliciosos.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

20 Presentes de Natal Significativos


Via

Embora os presentes de Natal, entre adultos, tenham sido abolidos (e felizmente!) da nossa família há já alguns anos, há sempre algumas pessoas a quem ainda presenteio; nesses casos, faço questão de que seja algo útil, e se possível, caseiro. Portanto, estou sempre à procura de ideias, e no seguimento dessa minha busca encontrei estas propostas, que poderão ser úteis a muitas pessoas, que como eu, pretendam ofertar algo significativo. Inspiradas e muito adaptadas, daqui.


1º Um Diário.
É daquelas coisas que deixamos de ter quando entramos na idade adulta, por considerarmos que pertence a uma determinada fase; porém, escrever um Diário tem adquirido importância ultimamente, como ferramenta de análise da nossa vida, e auto-conhecimento. Veja aqui.

2º Livro de Receitas Saudáveis.
Cozinhar está na moda, mas nem todos os livros de culinária são efectivamente adequados para cozinheiros de trazer-por-casa. Sobretudo, se há uma preocupação com  a saúde. Portanto, oferecer um livro que faça especial enfoque em receitas saudáveis, terá muito mais probablidades de vir a ser testado.

3º Uma experiência ou Viagem.
Há uma enorme oferta de workshops sobre os mais variados temas, desde a maquilhagem, à costura, é só procurar um, ao gosto da pessoa em questão. Ou então, uma viagem a algum sítio; ou somente o voucher do hotel, ficando o presenteado aliciado desse modo.

4º Uma aula no Ginásio.
Há quem comente que gostaria de experimentar Fitness, ou Ioga, ou qualquer dança exótica, mas não dá o passo para tal. A oferta de uma aula pode motivar a continuação, ou não. Mas fica a experiência!

5º Massagem.
Quem não gosta? E mais, quem não precisa? Até os que nunca experimentaram, ou ignoram que necessitam, vão gostar. A massagem relaxa,  reduz a tensão muscular, estimula a circulação sanguinia e linfática. Mais aqui.

6º Feito à mão, por artesãos locais.
Qualquer presente feito à mão, tem outro encanto. É único. Tem outra energia. Basta escolher algo que seja do gosto de quem se presenteia - um par de brincos, um necessaire, uma capa para o tablet.

7º Foto encaixilhada.
Escolha uma foto com a pessoa, ou em grupo, família ou amigos, de um momento feliz, e coloque-a num porta-fotos, ou moldura para pendurar. Algo que fique à vista para relembrar, e fazer sorrir.

8º Aula de Línguas.
Nunca como agora saber falar linguas estrangeiras foi tão importante, senão vital. A boa notícia é que até online se pode aprender, e por vezes há sites que oferecem os cursos com grandes descontos. O que proporciona a aprendizagem independente da geografia ou mobilidade.

9º Donativo.
Há montes de Instituições que estão a fazer a dferença neste momento de crise, a Cáritas, o Banco Contra a Fome, ou outra qualquer mais ou menos desconhecida. Pode ser uma doação em géneros, dinheiro ou até em roupa usada. Todos temos alguma coisa para partilhar, certo?

10º Música.
Ofereça bilhetes, para um espectáculo, ou um c.d. ou um mp3 já com músicas descarregadas; certifique-se que as músicas, ou os músicos, são do gosto do presenteado.

11º Apadrinhe uma Criança.
Em nome de outra pessoa, pode apadrinhar uma criança de algum país em desenvolvimento, e fazer uma grande diferença na vida de alguém. The Big Hand é uma opção.

12º Seja criativo.
Oferecer alguma coisa feita por nós, é sempre muito especial. Contém aquela energia foi-a-pensar-em ti. Se tem algum talento para o artesanato ponha-o a uso. Se não tem, está na hora de aprender, porque estas coisas também se aprendem! Veja aqui.

13º Óleos essenciais.
A Aromaterapia é uma forma de tratamento holístíco, que usa as plantas, flores e madeiras, ou seja, totalmente natural. E trata diversos problemas, como a depressão, enxaqueca, etc, de maneira muito agradável.

14º Uma Aula de aventura.
Para aqueles que sempre disseram que queriam experimentar um salto em paraquedas, ou bungee jump. Oferecer o baptismo fará História! Aqui.

15º Cabaz de alimentos saudáveis.
Em vez dos habituais chocolates, um cesto de frutos secos, ou fruta da época, comprados aos agricultores locais. Muito mais saudável.

16º Velas perfumadas
Para acender na véspera de Natal, e perfumar o ambiente da casa com um aroma especial e diferente.

17º Adopte um animal no Zoo
E faça-o em nome de quem recebe o presente. Aqui

18º Faça uma doação a algum Abrigo para animais
Eles sobrevivem graças a donativos, e cada vez mais animais são abandonados, o que torna estes locais muito procurados e consequentemente com necessidades permanentes de alimentos, e tudo o necessario para acolher os nosso fieis amigos. Lista aqui.

19º Um livro Inspirador
Os livros de auto-ajuda adquiriram uma importância nunca vista anteriormente. Virados para o interior, divulgam técnicas que visam ajudar-nos a conhecer-nos melhor, para tomarmos consciência e mudarmos aspectos negativos que não queremos em nós. Outros, ensinam-nos a educar melhor os filhos, ou a sermos melhores profissionais. Basicamente, se tudo funcionar melhor nessas áreas, a nossa vida também muda para melhor. Sugiro "O Elemento" e "O Monge Que Vendeu O Seu Ferrari":

20º Um doce tradicional de Natal
Sabe que aquela pessoa vai fazer a festa de Natal em casa, então leve-lhe uma travessa de rabanadas, feitas por si. Ou um belo prato de Aletria, decorada com estrelas de canela. Um trabalho a menos, e um agrado a mais!

21º Make a Wish
" A missão da Fundação Realizar Um Desejo é realizar desejos de crianças e jovens, entre os 3 e os 18 anos, com doenças graves, progressivas, degenerativas ou malignas, para lhes levar um momento de alegria e esperança.
Para uma criança gravemente doente, ver o seu desejo realizar-se significa que nada é impossível. "
Ao adquirir um presente de Natal online está a contribuir para este fantástico projecto. Aqui.
 

A tónica no Natal está em dar...

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Dica de Leitura: O Monge Que Vendeu O Seu Ferrari

Via
Recebi este livro como presente de aniversário; não é de todo o tipo de livros que compraria, por estar no top de vendas, ou ser outra banha-da-cobra dentro do género de livros de autoconhecimento. E, confesso que, inicialmente senti que a minha opinião pré-concebida se confirmava. Porém, o livro tem um aspecto muito positivo, que são as dicas que fornece, para atingir os objectivos pretendidos. Como por exemplo, a dos 21 dias, para alterar algum hábito da nossa vida que queremos eliminar; a proposta é ter força de vontade suficiente durante 21 dias, e não praticar esse tal mau hábito, substituindo-o por outro, mais saudável, por exemplo. Porquê 21? Porque são três semanas, cada uma tendo sete dias, sendo o 7 considerado o número da transformação, pelo Esoterismo.
Dou este exemplo porque o testei e funciona! Alterei um hábito antigo que por inúmeras vezes tinha tentado suprimir sem sucesso. Funciona realmente.

De resto, o livro é uma iniciação básica e simples ao autoconhecimento, e bastante inspirador, pelo que recomendo a sua leitura.

A história gira em torno de Julian, um advogado rico e famoso, que após um enfarte, em resultado da sua vida desequilibrada e stressante, reconhece uma oportunidade de mudança. Vende todos os seus bens e inicia uma viagem em busca do conhecimento para uma vida simples e feliz; acabando por encontrar respostas que revolucionam a sua forma de ser e estar.

Fica também, como sugestão de presente de Natal! À venda na Wook.


Título: O Monge Que Vendeu O Seu Ferrari
Autor: Robin Sharma
Editora: Pergaminho
Pág.195

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Sou do tempo de Nelson Mandela

Via

Não sou do tempo de Gandhi, nem de Martin Luther King, mas sou do tempo de Nelson Mandela. Era criança quando o meu pai me contou a história dele, e à posteriori penso que o fascínio sentido na época pela  figura deste homem se aproxima do que, normalmente, sentimos pelos heróis.
Mais tarde, fui eu a contar aos meus filhos a mesma história, e senti-lhes a mesma admiração. 

Há pessoas que são como faróis, passam pela História da Humanidade iluminando-nos com a sua luz, no meio da escuridão, guiando-nos e inspirando-nos. Mundando rumos, para sempre.

E só podemos estar gratos por isso.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

- Oh, Lorde! Uma voz dissonante



A Time elegeu Lorde, uma cantora neozelandesa de 17 anos, a adolescente mais influente do ano.
A sua música suave a voz melancólica fazem lembrar Lana del Rey, mas ainda assim com um estilo muito próprio. Além disso, parece ter ideias também muito suas, relativamente à sua imagem; assumindo-se como feminista, critica frontalmente a hipersexualização das cantoras actuais, como Selena Gomez.

Sem dúvida uma voz divergente, no palco e fora, que veio para inspirar e durar, espero eu!

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Hall de Natal Com Comboio Vintage


Como manda a tradição, fizemos a decoração de Natal no dia um de dezembro. Foi uma pausa nos estudos para os testes, desta semana que começa. Um intervalo que as crianças adoraram, especialmente por isso.

Gosto de mudar o hall de entrada todos os anos e já há alguns que tinha em mente usar o comboio vintage, brinquedo do meu marido, a que os nossos pequenos nunca prestaram grande atenção. Mas nesta decoração viram-no com outros olhos; adoraram o cenário que eu idealizei. E eu fiquei particularmente satisfeita, pois os anos passam e tenho a percepção de que algumas destas brincadeiras de Natal vão deixando de ter tanto valor, para as crianças em crescimento.

Sei lá se, não estaremos nos últimos Natais, em que ainda podemos brincar com a decoração...?

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Chapéus há muitos!


Via
Vou avisando já que não gosto de ver capuzes na cabeça. Essa moda irrita-me imenso, acho uma enorme falta de educação. Mais do que a conotação que implica, relacionada com uma certa ideia de marginalidade. No entanto, confesso que já usei um caso que aconteceu nos E.U. , em que um adolescente foi baleado, por ter capuz na cabeça e caminhar à noite, numa rua com vigilantes, para demover o meu filho, de usar o capuz. Que use quando está frio, ou a chover. Ou quando sai da Natação. Mas que o puxe para trás assim que entra em casa. Em qualquer casa.

Talvez porque o meu pai usou chapéu e boné durante toda a vida, e eu o tenha visto a descobrir a cabeça, assim que entrava fosse onde fosse; a noção do que é certo, do que é bem educado, do saber estar em sítios diferentes é-me cara. E gosto de a acalentar, apesar de sentir que está cada vez mais fora de moda.

Vi na televisão a notícia de um homem, que foi convidado a sair do Banco, após se recusar a tirar o capuz. Ele estava acompanhado pelos pais, pessoas idosas, e pela irmã. Segundo ele, isso bastaria para  provar que não estava ali para assaltar o Banco. E que as funcionárias não foram capazes de lhe explicar porque deveria retirar o capuz.

Parte-se do principio que existe um certo preconceito perante determinadas imagens; que os assaltantes também podem usar blazer, e usam frequentemente, portanto, o capuz na cabeça não indica necessariamente que seja alguém com intenções ilicitas.
Contudo, será que se existisse um estudo sobre o vestuário dos delinquentes, não seria muito mais frequente um tipo de roupa, que vem de encontro ao nosso imaginário? Ao tal capuz na cabeça, por exemplo? Creio bem que sim, que essa ideia que nos é comum tem um fundamento explicável, porque faz parte da realidade.

Portanto, com o aumento da criminalidade, cobrir o rosto, ou cabeça, sobretudo em determinados locais, pode ser realmente entendido como um gesto provocador, ou ameaçador.

Basicamente, é má-educação e falta de compreensão, e espanta-me bastante que um homem adulto tenha necessidade que as funcionárias do Banco lhe expliquem porque deve retirar o capuz.

Nada semelhante, a um outro caso, divulgado na tv, há alguns meses, onde um cliente de certo Banco foi convidado a sair por vestir roupa de trabalho. O senhor era sucateiro, e tinha por isso o fato-macaco muito sujo. Inaceitável, a meu ver.

Por vezes, parece-me que a falta de bom senso se generalizou a um ponto absurdo. Ao ponto de tornar-se notícia o mais elementar das coisas básicas da vida.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A Maria Luísa é que sabe...

O Computador

A menina Leonor
só quer o computador.
O boneco e a boneca
eram uma grande seca!
Deitou fora a bicicleta,
cansa muito ser atleta.
Não sai para qualquer lado,
nem para comprar gelado.
Anda da mesa para a cama,
só se veste de pijama.
Vê-se ao espelho de manhã
a olhar para o ecrã.
Já se esqueceu de falar.
Só sabe comunicar
com os dedos no teclado.
Tem agora um namorado
a menina Leonor
chamado computador.
É fiel, inteligente
não refila, nunca mente
e quando ela se fartar,
pimba, basta desligar.
Maria Luísa Ducla Soares

Muda-se o nome da menina Leonor e  bem que poderia ser o hino de qualquer casa, não era?! 
É uma luta constante. Que a força esteja connosco!

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Subir a escadaria?!

Via

Enquanto se discute se é grave, ou não, subir a escadaria do Parlamento, se os Polícias foram longe de mais a subir a escadaria, se os Policias passaram todos os limites, não se discute que eles se manifestavam contra as condições precárias de trabalho. Que a manifestação foi a maior de sempre.

O trabalho de marketing funciona lindamente, quando Políticos e Comunicação Social resolvem aliar-se.

Os que criticam as manifestações das Forças de Segurança que procurem antes informar-se das condições em que estes  trabalham. E que se questionem se gostariam de trabalhar em condições idênticas.

Enquanto se verifica um significativo aumento da criminalidade, as Forças de Segurança têm visto os seus meios de combate reduzidos ano após ano. Salários baixos, horas extraordinárias e feriados sem serem pagos, falta de efectivos, o que reduz a segurança dos profissionais nas ruas e nas cadeias, e uma enorme falta de apoio pela parte dos magistrados e Políticos sempre que um Polícia ou Militar, baleia algum cidadão ( leia-se criminoso). Parece que as armas são mesmo só para decorar.

Todos temos direito de manifestar-nos em defesa dos nossos mais elementares direitos. Excepto os Policias, que são aqueles que garantem muitos dos nossos direitos.  Belo raciocínio.

Mas quando necessitarem da Polícia, e desesperarem porque não chegam rapidamente, não se lembram que a falta de viaturas, de efectivos e sei lá que mais não permite melhor.

Aqui,aqui, aqui, aqui, aqui, ...


sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Receita para o fim-de-semana: Challah trançado na MFP


Quando vi a imagem deste pão fiquei imediatamente com vontade de o testar. Challah é o pão que os judeus costumam fazer na Páscoa, mas imagino que também ao longo do ano.
(A receita veio daqui. )

O aroma espalhou-se deliciosamente pela casa à hora do lanche, de forma que uma das tranças foi praticamente devorada com manteiga e compota de framboesa, ainda bastante quente.

Outra trança, a mais perfeita ( na segunda já consegui melhor resultado), foi oferecida a pessoas que a apreciaram igualmente. Porque na vida temos que espalhar pequenas alegrias.


 Challah trançado na MPF


Ingredientes:
1 xícara (240 ml) de água morna

1/2 xícara (100 g) de açúcar

1 colher (sopa) de mel

1/2 xícara (120 ml) de óleo

2 1/2 colheres (chá) de sal

2 ovos, em temperatura ambiente

4 xícaras (550 g) de farinha para pão ( esta quantidade não foi suficiente, fui acrescentando mais farinha, até a massa não colar )

2 1/4 colheres (chá) de fermento biológico seco 

Como fazer: Preparo:30mins  ›  Cozimento: 25mins  ›  Tempo adicional:1hora30mins descansando  ›  Pronto em:2horas25mins 

  1. Na ordem recomendada pelo fabricante, coloque na máquina de pão, a água morna, o açúcar, o mel, o óleo, o sal, 2 ovos, a farinha e o fermento. Inicie o ciclo amassar - misturar.
  2. Depois que o ciclo terminar, retire a massa e coloque-a numa superfície enfarinhada. Soque a massa (para retirar bolhas de ar) e deixe-a descansando por 5 minutos.
  3. Divida a massa ao meio. Em seguida, separe cada parte em 3 partes iguais. Modele cada parte no formato de cordas que meçam entre 30 e 35 cm de comprimento. Trance as cordas, formando um pão. Faça o mesmo com as outras 3 partes restantes. Cuidadosamente, coloque os pães em um tabuleiro untado, borrife-os com a água. Cubra o tabuleiro com filme de Pvc para cozinha, deixando o filme folgado no tabuleiro. Leve os pães para um lugar quente e deixe-os crescendo por 1 a 1 1/2 hora ou até eles terem dobrado de tamanho.
  4. Pre-aqueça o forno a 180 ºC. Em uma tigela pequena, misture o ovo batido com uma colher de sopa de água.
  5. Pincele os pães, já crescidos, com o ovo batido. Asse os pães no forno pre-aquecido durante 20 a 25 minutos. Se os pães ficarem corados rapidamente, cubra o tabuleiro com papel alumínio.





quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Antibióticos não curam constipações, nem gripes!

Imagem e notícia via

Recentemente uma pessoa contava-me que tinha tido gripe, foi às Urgências e lhe receitaram antibióticos. Todo este cenário, para mim, é surreal. Cá em casa as gripes e constipações curam-se com Antigripine, chás de limão e mel, roupa quentinha e cama. Sem ida ao médico, sequer. 

Tenho a impressão que todos os anos pelo Inverno, sai alguma notícia na comunicação social sobre o uso excessivo de antibióticos, pelos portugueses. Parece que os hábitos custam mesmo a mudar, mas em questões relacionadas à saúde, tenho a certeza que não deveria ser assim.

A partir do momento que se diz que o consumo excessivo de antibióticos reduz o nosso sistema imunitário, tornando-nos menos resistentes às bactérias, bastaria para pensarmos mais seriamente sobre o assunto. E não os pedirmos de ânimo leve para curar gripes e constipações, que são virais, não se curam com antibióticos!

Porém, o que eu vejo frequentemente é bastante diferente; muitos pais sentem-se mais seguros quando os médicos prescrevem antibióticos aos filhos, e inclusivamente desdenham dos médicos que não o fazem. No entanto, estes, sendo os profissionais, deveriam saber muito bem que os antibióticos curam infecções bacterianas apenas, e não os receitar para infecções virais. E acima de tudo, aproveitar a oportunidade para informar e educar os pacientes.


terça-feira, 19 de novembro de 2013

Jogo Suécia - Portugal

Achei esta notícia "cómica"; os Suecos planeavam recolher a cobertura do estádio, para pôr os jogadores portugueses em desvantagem! Mas os portugueses resolveram dar-lhes o troco, mostrando que o frio não os desmotiva, pedindo que a cobertura ficasse mesmo aberta!

Só no final da tarde se saberá qual a decisão. Mas cá para mim, são os suecos que estão a tremer... e não é de frio!
Ó.... joguinhos patéticos!

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

"Because am happy"


Ser feliz é uma forma de coragem, sobretudo actualmente. 

Porque é giro e contagiante. Para miúdos e graúdos! Deixem-se contagiar e "Clap along...!"

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Desmontando o mito de Miley Cyrus


Toda esta polémica em volta da Miley Cyrus ter-me-ia passado totalmente ao lado, não fosse a minha filha. Quer dizer, é-me absolutamente indiferente que ela ou outra cantora qualquer façam vídeos controversos, ou dancem de forma excessivamente sexy, roçando o mau gosto, quando não são cantoras de quem eu gosto.

Acontece que Miley Cyrus era a Annah Montana, uma menina Disney muito conhecida e admirada pela minha filha, e muitas meninas da idade dela. Para além da televisão, ela entrou cá em casa em forma de capas escolares, esferográficas e outras coisas do tipo. Isso quer dizer alguma coisa. No mínimo que a minha filha gostava dela, no máximo que queria ser como ela. Não creio que tenha chegado a tanto, mas certamente muitas meninas sonharam com isso. Há, portanto, aqui um peso de influência que poderemos questionar, enquanto pais e educadores, se nos interessa ou não, desmontar.

Desapareceu a Annah Montana, mas ficou Miley Cyrus e as meninas que gostavam da primeira, seguiram o percurso da segunda. Sucede que à inocente Annah Montana, sobrepôs-se a "sabida" Miley Cyrus, colocando-se nas antípodas da sua predecessora. A minha filha não cresceu assim tanto, felizmente. E por isso, não entendeu esta mudança brutal no visual e comportamento da cantora. A confusão, entre personagem e pessoa real acontece frequentemente, quando um papel se cola ao actor durante muito tempo e sobretudo quando se dirige a um público ainda em formação, como  infanto-juvenil.

A incompreensão deve ser global, mas eu não lhe prestei atenção. Até a Letícia ter desabafado, incrédula:
 - A Miley Cyrus ficou maluca! Anda a lamber martelos, e a dançar quase nua em cima de uma bola, no vídeo dela!

Perguntei-lhe se ela imaginava porque a cantora se comportava assim, e a conversa alargou-se a questões que se prendem com o trabalho infantil nas artes, o consumo, o sexo e a fama. Parece cedo demais? Eu também pensava.

Acredito que a  fusão entre Annah Montana e Miley Cyrus foi propositada, para dar consistência e promoção à personagem; assim como acredito que esta transformação última, foi deliberada para colocar um basta à imagem construída pela menina Disney. Se a ideia foi dela, ou de alguém da sua entourage, não se sabe ao certo, e também não me parece muito importante. Quem cresceu sendo uma figura famosa, fica cativa de terceiros, seja de que forma for.

A imagem sexy vende, sendo um caminho fácil para quem pretende alcançar o sucesso a qualquer custo. Contudo, uma cantora segura dos seus dotes vocais não permite que a explorem ou a exponham da forma que Miley Cyrus se tem exposto. Mas também, nem sequer tenho a certeza se é possível ser suficientemente autoconfiante, a ponto de saber o que se quer, quando se viveu uma infância como figura pública, rodeada de profissinais que visam o lucro.

Lembrei-me de Sinead O'Connor, uma cantora de quem gosto muito, e que num gesto de revolta, quando sentiu a pressão para apresentar uma imagem mais sexy, rapou o cabelo. 
Recordei-me, e contei-lhe, a resposta de Adele, quando a pressionaram para perder peso: " Eu não faço música para os olhos, faço música para os ouvidos".

O que estas cantoras têm em comum? O talento. Vozes poderosas que não necessitam mais do que isso. E vozes interiores que as instigam  a percorrer um caminho, talvez mais difícil mas também mais digno  e leal ao dom que possuem.
Nada a fazer, quando as pessoas são atiradas para as feras, ainda pequeninas, e lhes sonegam a infância. Acho que é aí, que lhes roubam a oportunidade de aprenderem a ouvir a sua voz interior. E elas ficam, assim, pequeninas e perdidas, senão para sempre, durante muito, muito tempo.

Para ilustrar a conversa, a Letícia quis ouvir uma música da Sinead O'Connor. Escolhi uma das minhas favoritas de sempre. Há coisas que ficam porque marcam, independentes de modas e polémicas, outras que apenas vão ficando. E é isto que eu quero que a minha filha compreenda, há pessoas que podem inspirar-nos e outras que, claramente, não. Temos apenas de saber identificá-las.

É muito cedo, para tal? Realmente não me parece.


terça-feira, 12 de novembro de 2013

O SNS e a Drª Ana Oliveira

Depois de ver esta investigação da TVI, só posso concluir que se o SNS não funciona, é porque o Ministério da Saúde não quer.
Não me parece que seja um caso isolado, deve ser um fenómeno a nível nacional. Uma vigarice tremenda que lesa o Estado e brinca com a saúde e carteira dos cidadãos. Muitos deles carenciados e idosos. Uma indignidade.

Não conheço a médica que testemunha e teve a coragem de reunir provas,  mas só posso concluir que é uma pessoa honesta e destemida.
Porque não compactua com falcatruas e as denuncia. Porque teve a coragem de se expôr, denunciando os seus pares. E creio que todos sabem como este lobby  funciona - protegem-se uns aos outros, nem que seja com o silêncio.

E acima de tudo, é um exemplo como cidadã. Estamos tão necessitados destes exemplos...

-Bem-haja, Drª Ana Oliveira!

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

De tabuleiro a bandeja num piscar de olhos!



Esta é a história de um tabuleiro velho, guardado numa gaveta da cozinha, que foi objecto de uma transformação total, e está agora na sala, em melhor companhia.

1. Pintei-o todo com spray prateado. 
2. Coloquei fita adesiva em zig-zag.
3. Voltei a pintar de prateado, para a cor fixar melhor e deixar uma marca subtil do zig-zag.
4. Retirei a fita cola e pincelei pela marca com cola branca.
5. Salpiquei abundantemente com purpurina prateada. 
6. Deixei secar bem e coloquei um vidro, para protecção. 

E pronto! Não ficou perfeito mas o artesanato é mesmo assim.


A tinta em spray opera maravilhas!

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Brinquedos têm género?

- É meu! Dizia ele.  (Adorou o presente!)

Com o Duarte nunca pensei muito sobre o assunto, interessava-me muito mais que os brinquedos fossem lúdicos e pedagógicos, e por sorte ele nunca se sentiu naturalmente atraído pelos brinquedos ditos " de menino", como bolas ou carros. Puzzles, Lego ou outros brinquedos que ensinavam os números e as letras, abundavam cá em casa. O que ele pediu especificamente ( quando teve idade para tal ) foram os bonecos Pokémon, que coleccionou durante anos, e posteriormente os Bakugan, e outros do tipo.

Entretanto, com o nascimento da Letícia, os brinquedos, esses sim, ditos "de menina" entraram em força cá em casa. Ela revelou-se desde cedo muito ligada aos brinquedos do seu género, ainda que tenha manifestado o gosto pelas bonecas tardiamente. Mas gostava de coisas cor de rosa, de cozinhas, comidas, e toda a parafernália que reproduz uma casa. E posteriormente brinquedos ligados à Clínica Veterinária e Infantário. 
Como a diferença de idades entre os dois é de apenas 18 meses, eles acabaram por brincar com os brinquedos de um e do outro, numa troca saudável, que em abono da verdade, oscilou sempre mais para os brinquedos do Duarte.

No verão, tivemos cá em casa o meu afilhado e surpreendentemente ( e porquê surpreendentemente?!), de todos os brinquedos que existem aqui, e são imensos, o que o cativou mais a ponto de não o largar foi um carrinho de bonecas com um bebé. Fartou-se de o passear, e carregar para cima e para baixo. Deixava-o alguns momentos mas voltava sempre a pegar nele para continuar a brincar. Estava encantado!

Esse momento para mim foi revelador. O aniversário dele aproximava-se e eu não tinha ideia do que lhe oferecer; porém, apesar da abundância de brinquedos, o meu afilhado, tinha apenas como seria de esperar, brinquedos do seu género. Não tinha carrinho de passeio e boneca.

As mulheres queixam-se de que os maridos não partilham das tarefas domésticas, não tratam dos filhos, sobretudo quando são bebés, e isto tem uma razão que começa aqui, na brincadeira. Porque não podemos brincar com os mesmos brinquedos se no futuro se espera que todos desempenhemos as mesmas tarefas?

Ilógico? Talvez isso tenha feito sentido no passado em que as actividades estavam muito definidas pelo género, mas já não é o caso.
Há cada vez mais pais que reclamam licença de paternidade, pais homossexuais, e pais que são mais activos no cuidar dos filhos, devido a diversas razões. E pais que partilham essa tarefa com as mães, de igual para igual. Por conseguinte, essa tarefa, assim como outras tarefas domésticas, rompeu com o limite de género.

As brincadeiras que ensinamos e promovemos para além de pretenderem ser divertidas e manterem as crianças entretidas, destinam-se também a ensinar; a mimética da brincadeira repercutirá na idade adulta. O que acontece actualmente é um desajuste entre as duas.

Os fabricantes de brinquedos ainda não tomaram essa noção, e por isso continuam a rotular as embalagens dos seus brinquedos com fotos de meninas a segurar "bebés" nos seus braços, e a empurrar o carrinho de passeio. Isto estigmatiza a ideia de brincadeira, e cria limites para os meninos que também querem brincar com "bebés" e passeá-los nos carrinhos. Muitas crianças ficam frustradas porque os pais se negam  a adquiri-los sob pretexto de não serem do seu género; com receio de ouvirem piadas, ou promoverem uma tendência sexual  anti-natura. Assim como nas embalagens de brinquedos de menino, não se costuma ver meninas; há uma separação clara de brinquedos e por isso etiquetamos frequentemente quem não encaixa dentro das fronteiras do género. Uma menina que gosta de jogar à bola ? É Maria-Rapaz.

Obviamente eu não acredito em nada disto. Creio muito mais na liberdade de escolha, no acesso livre a todo o tipo de brinquedos, na promoção de brincadeiras pedagógicas livres de rótulos. Acredito que isso faz as crianças mais felizes e que um dia se tornarão adultos descomplexados e bem resolvidos.

A sociedade necessita de mudar em muitos aspectos, mas neste da brincadeira por géneros, parece-me que é urgente alterar esta noção tão arcaica. Está completamente fora de moda!