segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Halloween, Todos os Santos ou Outono ?

Via The high heeled Hostess
Todos sabemos que o Haloween é uma tradição anglo-saxónica. Se quiser saber como tudo aconteceu, e evoluiu até aos dias de hoje confira aqui, mas fique desde já sabendo, se é que não sabe ainda, que a festa de origem celta, se celebrava muito antes dos cristãos celebrarem o Dia de Todos os Santos. Aconteceu à data o mesmo que aconteceu a outras de origem pagã, foram substituídas por celebrações cristãs. Prerrogativas de cultura e religião dominantes.

Com a globalização, e o ensino do inglês generalizado, o halloween vai ganhando adeptos entre nós. E ainda que a febre dos norte-americanos pelo halloween não nos tenha atingido, a cada ano constato que esta festa ganha mais proeminência.

Quando eu vejo imagens de portas como esta lá em cima,  quase que desejo celebrar o halloween também! Ou então, como esta: 
Via Decor Chick
Se pensarmos bem, celebrar o final de verão é, no fundo, celebrar o inicio do outono, e isso todos podemos fazer. Faz-me lembrar uma frase atribuída a Einstein: " Há duas formas de ver e entender a vida: uma é crer que não existem milagres, a outra é acreditar que tudo é um milagre."  

E observando a natureza, tenho muitas vezes essa impressão de que estou perante um milagre. Por exemplo, o milagre do outono; que merece ser festejado. 
Como a nossa porta da frente fica demasiado exposta, praticamente em cima da rua, não a pude decorar. Mas a porta das traseiras, que dá para o jardim, está assim:

Acho que a entrada ficou bastante animada e bonita. Contudo, não é por aqui que se pedem os doces. A porta da rua está muito menos convidativa, com ar de Todos os Santos, mas ainda assim se abrirá para dar guloseimas. Se for o caso!

Tenha uma ótima semana!

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Receita para o fim-de-semana: Bolo de baunilha

Este já não chega ao fim-de-semana...! É a sina dos bolos de cá de casa, comem-se quentes ainda a sair do forno. E depois comem-se frios. Uma delícia!

Bolo de Baunilha com cobertura de chocolate
Ingredientes:
250 gr  de açúcar    
0,5 colher de chá, de baunilha   
2 colheres de chá, de fermento em pó   
200 gr de farinha de trigo 
200 gr de farinha de trigo 
3  ovos  
0,5 chávena de chá, de leite 
100 gr de manteiga    
1 pitada  de sal
Como fazer:
Bata a manteiga com o açúcar até ficar em creme, juntam-se-lhe as gemas batidas, a farinha com o fermento em pó já incorporado e o sal, alternando com o leite onde se deitou a baunilha, envolvendo levemente a massa de cada vez e por fim deitam-se as claras batidas em castelo. Vai a cozer em duas formas redondas iguais- eu cozi numa forma, e posteriormente abri o bolo ao meio, para rechear.

Depois de cozido recheia-se com creme de baunilha:
400ml de leite
2 gemas
20gr de maisena
80gr de açúcar
1 colher de chá de essência de baunilha
1 colher de sopa de manteiga
Aquecer o leite, e retirar do lume. Juntar as gemas batidas com o açúcar, batendo sempre, a essência de baunilha, a manteiga e a maisena. Misturar bem, e levar ao lume médio, mexendo sempre, até ficar um creme espesso.

Por fim,  cobre-se com creme de chocolate:
100 gr  de açúcar 
125 gr de chocolate
1 clara de ovo

Põe- se a derreter ao lume o chocolate partido em pedacinhos. Quando estiver derretido juntam-se-lhe o açúcar e uma clara de ovo.
Bate-se muito até ficar ligado, e cobre-se o bolo. 

Receita retirada e adaptada, o recheio de baunilha é da minha autoria, do Roteiro Gastronómico
Tenha um doce fim-de-semana!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Decorar com a natureza


O outono chegou por fim! Já tinha saudades deste tempo, e sobretudo da chuva por variadíssimos motivos. 
Olhando pela janela, constato que a paisagem mudou ao longo destas semanas; apesar do calor que tivemos, as árvores estão mais despidas e as folhas que restam exibem cores lindíssimas e variadas. Lembrando-nos que ainda poderão ter utilidade. Como por exemplo, para decorar a casa, festejando a nova estação!

Guirlanda de folhas
Material: 
Folhas secas e perfeitas, em quantidade variável, conforme o tamanho da guirlanda que pretende fazer. Eu precisei de quarenta.
Fio norte
Pistola de cola quente. 
Um livro pesado. Usei as páginas amarelas.

Como fazer: 
Em duas fases. Limpar as folhas cuidadosamente com um pano e colocá-las, uma a uma dentro livro, em páginas diferentes, durante pelo menos uma semana.  
Na segunda fase: Medir o espaço onde vai colocar a guirlanda, medir o fio e cortar. 
Quando as folhas estiverem secas e perfeitamente lisas, colá-las ao fio. Deixar secar, e pendurar no local pretendido!

Simples, não é? Decorar com a natureza, celebrando o outono a custo zero! 

Ideia retirada do blogue: Creative jewish mom.

Até breve!

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Participar da vida escolar dos filhos. Na escola.

Ao contrário do que habitualmente se espera, eu penso que a participação dos pais na vida escolar dos filhos não se se deve limitar apenas à ajuda dos t.p.c.'s, ou participação nas reuniões da escola; os pais também podem, e devem, participar das aulas. Ainda que seja somente uma vez no ano, participando nalguma atividade extra, como a semana da leitura, ou da ciência, por exemplo.

No primeiro ano de escola, a turma do meu filho esteve grande parte do ano sem professor de inglês; quando a data do Halloween se aproximava e todas as outras turmas se mostravam entusiasmadas, ao fazer trabalhos sobre esse festejo, constatei que o Duarte e os coleguinhas estavam com imensa pena de não participarem. Conversei então com a professora da turma, e propus-lhe fazermos uma atividade em conjunto, durante o horário de Inglês na semana do Halloween. Felizmente, esta professora  acolheu sempre muito bem, incentivando inclusivamente, as participações dos pais.

Pesquisei na net sobre o tema para explicar às crianças, tal como a professora de inglês faria, e recolhi várias propostas de trabalhos manuais, para as crianças executarem. Levei eu mesma os materiais, e eles, entusiasmadamente, moldaram com plasticina, aranhas, e outros insectos repelentes, que colocaram em frascos com líquidos coloridos e viscosos. Recortaram silhuetas de gatos, bruxas em cima de vassouras, casas assombradas e fantasmas, para decorar as paredes da sala de aulas, etc.

Na semana da leitura, voltei a participar. Eu tinha escrito um conto infantil - " A zebra e o Jaguar", que o Duarte ilustrou, e enquanto eu lia, ele ia projetando em power point o seu trabalho. No final, conversamos sobre o conto, e as crianças descobriram a moral, retirando daí a conclusão óbvia de que não devemos julgar os outros pela aparência. 

Ao fazer a arrumação da secretária, encontrei este trabalho, feito pela turma da Letícia, no primeiro ano. Também escrita por mim - "Alice e o Piripiri", é a história de uma menina que queria um animal de estimação diferente. Em seguida, a turma fez este trabalho lindíssimo, mostrando as suas habilidades plásticas.
Foram experiências que jamais esquecerei.

Sou apologista da participação dos pais na sala de aulas porque só vejo vantagens; ficamos a conhecer melhor a turma dos nossos filhos. Ficamos a conhecer cada colega. Estabelecemos uma relação mais próxima e cooperativa com a professora. Enriquecemos a aula, com uma participação diferente e inesperada. Tornamo-nos motivo de orgulho para os nossos filhos. E orgulhamo-nos de nós mesmos.

Por tudo isso, aconselho: não perca oportunidades de entrar na sala da escola do seu filho. Faça algo simples, como ler uma história. Mas escolha-a cuidadosamente. Não se preocupe com hipotéticos problemas, como por exemplo nunca ter feito isso antes, acredite que no final, a sua participação é que conta!

Tenha uma ótima semana!

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Receita para o fim-de-semana: Caracóis de Canela e Açúcar

Na mesma tarde em que a Letícia me pediu um lanche "em grande", e eu improvisei com as Panquecas de Custard, da Sónia Meirinho, também fiz estes "caracóis de canela e açúcar", que me fizeram lembrar Palmiéres, retirados do mesmo blogue.
Receita super simples, e rápida, para o lanche, ou acompanhar o café. 

Caracóis de canela e açúcar

Ingredientes: Um rolo de massa folhada, açúcar e canela.
Como fazer: Desenrole o rolo da massa folhada, e polvilhe com açúcar e canela a gosto. Enrole cuidadosamente, e corte em fatias finas. Coloque num tabuleiro forrado a papel vegetal. Leve ao forno a 180º, até crescerem um pouco e adquirirem cor.
Retire do forno, e volte a polvilhar com açúcar e canela. 

Não disse que era simples? Brincadeira de criança.

Tenha um doce fim-de-semana!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Um quadro virtual

Pinterest
Sabe aqueles quadros de cortiça, onde se prende com um alfinete: notas,fotos, recados, receitas, postais de locais paradisíacos, seja o que for importante, que pretendemos lembrar-nos, que queremos fazer, etc? Já não tenho um há alguns anos, mas o Duarte tem, e a Letícia também já me pediu, porque realmente são muito práticos. 

Eu anoto na agenda, ou em papeis, que acumulo na agenda, na bolsa, na secretária, no frigorífico da cozinha, etc. Tornando-se um método bastante caótico, e admito, nada funcional. Mesmo no computador acabava por guardar páginas de terminados sites, ou blogues, apenas por uma receita, uma ideia, uma imagem, porque frequentemente é somente isso que me interessa. Portanto, quando descobri o Pinterest, que mais não é senão um desses quadros de cortiça, mas virtual, pensei que alguém tinha concretizado o meu pensamento e realizado exatamente aquilo que eu preciso, para organizar as minhas dicas da net. 

Confesso, estou totalmente rendida ao Pinterest!
Imagine um site onde estão reunidas todas as boas ideias que encontra na net, receitas, dicas de reutilização e reciclagem, moda, jardinagem, penteados, tutoriais...sei lá, tudo! Organizado em quadros, feitos por si, que podem ser vistos por outros, e os outros podem ver os seus. Há um oferta infindável constantemente atualizada nesta partilha de informação, a que dificilmente se resiste.
Tenho retirado de lá imensas ideias, e todas fantásticas, como a do tubarão melancia. 

Portanto, se ainda não conhece, faça uma visita e diga-me se consegue resistir. E como, porque eu definitivamente não!

Até breve!

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Reconverter a roupa de verão, para o inverno

Via Life's A Journal
O nosso outono está a revelar-se  uma extensão inusitada do verão, que na realidade não tivemos. Por isso ainda vestimos roupa leve e fresca, mas os dias vão mudar brevemente, ficar mais frios, e a roupa do outono e inverno passados voltará a sair do armário. 
Porque a vida está a tornar-se cada vez mais difícil para a maioria das pessoas, comprar peças novas de vestuário, que muitas vezes nem precisamos, é quase proibitivo, por conseguinte resta-nos recuperar o que temos. Que é muito, se pensarmos que no sécXIX a maioria das mulheres do povo tinha apenas duas mudas de roupa, dependendo dos vários lenços da cabeça para mudar o visual.

Não sendo nem fashionista, nem personnal stylist, mas querendo ajudar a manter o astral alto -o nosso aspeto é fundamental para isso- vou compartilhar algumas dicas que fui lendo aqui e ali, para adaptar a roupa de verão à nova estação.
Via Kendi everyday
- Vestidos. Continue a usar os vestidos de verão, vestindo por cima um casaquinho de malha, e collants opacos. Contrapor tecidos leves com pesados é muito fashion!
- Blusas. Podem vestir-se, ainda que os tecidos sejam muito leves, por vezes transparentes, acrescentando-lhe um colete, ou casaco de manga curta, também tendência. 
- Tops de malha fina. Podem ficar por baixo do casaco, ou camisola,  porque a sobreposição continua muito in!
- Jeans. Escuros são tendência, conjugados com tons neutros, vai apresentar um look absolutamente estiloso. 
Via Bittersweet colours
- Pasheminas. Prefira as cores fortes, como o laranja e rosa fucsia para destacar nas cores básicas das estações frias, como o castanho, preto e azul, ou ainda o padrão animal.  A pashemina na cor certa, muda um visual a 100%.
- Cintos. Finos ou largos,à sua escolha, por cima daquela blusa, ou casaco,  que já vestimos cem vezes vai alterar a composição totalmente, conferindo-lhe uma nova silhueta.
- Jóias e bijutaria. Os clássicos estão de regresso, brincos de argolas, colares dourados, e volumosos estão na berra, e serão aliados poderosos nos looks mais simples!
- Cores. Use e abuse das cores fortes, como o rosa fucsia, laranja, vermelho, verde esmeralda e amarelo, das peças de verão, pois continuam tendência fortíssima. 
Via Net-a-porter
- Cotoveleiras. Para quê comprar, quando pode mandar coser nalgum casaco, ou camisola que já tem, renovando-lhe o aspeto? Reutilize!

Tenha uma boa, e elegante semana!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Reutilizar caixa de cereais para organizar a secretária

Habitualmente, o Duarte costuma ter a sua secretária muito desarrumada. Então agora, a frequentar o 5º ano, com tantas disciplinas, que implicam vários cadernos, livros e livros de atividades, que entram e saem da mochila diariamente, a secretária está sempre desorganizada. 

Para o ajudar a manter a secretária arrumada, fiz este organizador, onde ele vai guardar os cadernos que não precisa. O Duarte ficou contentíssimo. Vamos ver quanto tempo isto dura!

Material:
Duas caixas de cereais
Papel de fantasia
Fita cola larga
Cola liquida
Tesoura

Cortei as abas maiores das caixas de cereais, e deixei as de lado, que irão reforçar a estrutura da caixa, quando tiver o peso dos cadernos. Colei as duas caixas, uma à outra, com a fita cola larga, de um lado ao outro.
Forrei as caixas, agora uma só, com o papel fantasia, e colei com fita cola onde não se vê, e cola  liquida nos sítios à vista. Pronto!
Se tiver caixas de encomendas do correio, poderá levar três andares, porque o cartão é mais forte, e aproveitar melhor ainda ao espaço.
Ideia retirada e adaptada daqui.

Tenha um ótimo fim-de-semana!

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Como eliminar os parasitas das plantas

Só temos uma roseira no jardim. Muito antiga, e praticamente uma árvore, de tal forma insiste crescer para cima! As suas rosas são cor de fogo, e à medida que vão envelhecendo tornam-se brancas e rosa. Frequentemente a nossa roseira fica infestada com pulgões, o que a desfeia imenso. Certa vez, há muito tempo atrás, comprei um pesticida, e pulverizei-a, mas não funcionou. Entretanto, dei o caso como sem solução, mas este verão revi a minha opinião, e exatamente por não querer utilizar químicos, procurei na net alguma receita caseira e inofensiva.

Encontrei no Irenes, Dicas e truques caseiros , uma receita tão simples que imediatamente quis experimentar.

Material:
Um pulverizador
Água ( meio litro)
Um cigarro
Desfazer o cigarro (sem papel!) para dentro do pulverizador, juntar água, e esperar que esta "infusão" adquira uma cor acastanhada.

Entretanto, as sardinheiras, que todos os Verões são também atacadas por uma larva verde, e pequena, que as corrói, instalando-se no interior, já estavam em fase de definhamento; folhas amarelas, a cair precocemente, ausência de flores, e muitos caninhos já esburacados, com o tal insecto.
Ataquei em duas frentes: coloquei borras de café nos pés das plantas, e pulverizei as folhas e ramos  três vezes na semana. Fui retirando as folhas envelhecidas, e cortando os canos secos. Quase de imediato reconheci sinais de que o tratamento foi bem sucedido. As sardinheiras estão a regenerar-se, como podem ver, com folhas verdes e saudáveis a espreitar estoicamente. Numa amostra de seis vasos, somente uma sardinheira não reagiu ao tratamento. Porém ainda não desisti dela; algo me diz que algures no seu interior ainda há vida.
Estou contente; pela primeira vez em vários anos as sardinheiras do verão vão ficar para o ano seguinte!

Espero que gostem da dica.
Até breve!

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Animais domésticos em extinção

( Imagem daqui )
Quando falamos em animais em extinção lembramo-nos apenas de animais selvagens, como o lince ibérico, o panda gigante, o rinoceronte de Java, o tucano, enfim, uma série de animais exóticos que estão bem longe de nós. Porém, na realidade há uma série de animais domésticos que também fazem parte dessa lista. Como carneiros, coelhos, burros, e galinhas. É verdade. E nisto, mais uma vez o homem é o responsável. Como? Porque simplesmente não faz a procriação de determinadas raças, por não serem tão produtivas, ou tão robustas como outras suas congéneres. Há 8000 mil anos que as domesticamos, e as galinhas já não existem sem nós, portanto só existirão enquanto as reproduzirmos. 

Vivemos num tempo em que tudo o que interessa é produzir rapidamente, para alimentar uma população voraz e crescente, se possível oferecendo os produtos a baixos preços.

Há uns tempos, li algures que os cientistas estavam a tentar produzir frangos sem penas; porque serem depenados só aumenta o preço do custo dos frangos. Portanto, penas para quê?! Um horror não é? Imaginar um frango nu. Uma aberração, mas isto sou eu.

Noutra altura vi uma reportagem, em que cientistas tentavam isolar o gene dos salmões que os faz permanecer cerca de quatro anos no mar, antecipando a subida dos rios, para desovarem mais precocemente. Para quê? Para acelerar o processo, retiram ao peixe a sua necessidade de amadurecer e adquirir a gordura que o vai preparar para essa prova extrema. Outra aberração.

No entanto, cada um de nós, à sua maneira, contribui para este perverso sistema de seleção de raças, como por exemplo não escolhendo um tipo de galinha que só choca uma vez por ano. Na verdade, nós ignoramos qual a qualidade intrínseca destes animais que podemos precisar no futuro.  E não vamos ter, porque será tarde demais.

Entretanto, o que podemos fazer para não contribuir para esta seleção aritificial dos mais fortes, mais produtivos? Adotar uma alimentação racional e equilbrada.
Como? Comprando apenas o necessário, que contrariamente àquilo que possa pensar não é o que todos fazemos. Uma sondagem feita no Reino Unido indica que o desperdício médio de uma família padrão (casal com filho) é equivalente a 4.336,15€, ano. Incrível a quantidade de alimentos que as pessoas compram, guardam no frigorífico, e que acabam no lixo! Já para nem falar do desperdício financeiro!

Outra forma de comer racionalmente, é reduzir nas quantidades que ingerimos. Frequentemente vejo pratos de comida que são um verdadeiro exagero, e pessoas a repetir duas e três vezes, sistematicamente. Não é necessidade, porque o nosso organismo não precisa de tanto, é apenas gula. Ou qualquer outra sensação que pretendemos saciar, através da comida. E devemos resolver isso pela via apropriada, sob a pena de adquirirmos problemas de saúde. E a estética?! Não são nada elegantes aquelas barrigas salientes dos glutões!

Eu sempre tive um fraquinho por animais, mas agora confesso que ando com muita vontade de ter um par de galinhas no quintal. Tinha que ser uma dessas da foto!
Hummm.Se ao menos elas aprendessem a usar o caixote de areia ...

Até breve!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Receita para o fim-de-semana: Batatas assadas, versão sueca

( Receita daqui )
Esta receita é tão prática, quando deliciosa! Crocantes por fora, macias por dentro. Para acompanhar o que lhe apetecer.

Batatas assadas, versão sueca

Aqueça o forno a 220º. Lave bem a pele das batatas. Cuidadosamente, corte as batatas em fatias finas sem contudo chegar ao fim da batata.
Coloque a quantidade pretendida numa travessa de ir ao forno; regue com azeite, coloque um pouco de manteiga em cima de cada batata, tempere com sal marinho e pimenta moída na hora. 
Leve a assar cerca de 40 minutos, ou até que esteja do seu agrado.
Apesar do aspeto não ser igual ao das batatas da receita original, estavam deliciosas. Sabem que mais? A foto é que ficou uma lástima.

Tenham um ótimo fim-de-semana!

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Ode ao meu maracujazeiro, pelas palavras da poetisa


Quando li o poema que a Maria Guida fez à beringela, gostei tanto, que imediatamente me lembrei de a desafiar a escrever um, aos meus pés de maracujá. Para minha alegria ela aceitou, por isso, a autora do Claridade é hoje minha convidada. 
Agradeço-lhe imenso, ficamos deliciados com uma história tão poeticamente bem captada.

 Sou pé de maracujá, maracujazeiro
Sou Planta empolgada neste poleiro!
Sou invasora, arbustiva e vigorosa
Para o povo, e com razão
Minha flor é a da paixão…
Supera a vermelha rosa…
Curiosos?
Ansiosas por novidades?
Muito bem, cuscas comadres
Minha sebe vos tem seduzido
 Bem oiço…
Mas, faço-me despercebido!

Por que, não me vedes as flores?
A primavera foi-se, meus Amores!
Foram de beleza exótica, perfumadas
Quiçá, vos deixassem inebriadas! 

Pareço um arbusto só?
Enganam-se, tenham lá dó
Estou agarradinho à minha companheira
Uma maracujá, casca fina, tipa porreira
Somos amigos, mas de sangues diferentes
Beijocamos e florescemos contentes 

Para nosso fruto poderdes ver
Polinização é imperativo fazer!

Quando nos juntaram, éramos putos!
Conseguimos dar apenas, dois frutos.
…Ui…
Resmas de curiosos espreitavam, cuscavam
A rede e o muro também nos ralhavam
E os donos!? Mesmo muito desiludidos!
                           Tivemos que lhes dar ouvidos…                              

Virámos projetos astutos
Parecíamos dois malucos…
Pedimos aos donos meninos
Que a brincar nos abanassem
A polinizar ajudassem
E os ventos,
E as abelhas
Se quisessem
…Também chamassem

  Este ano? Admiram-se pela abundância
A dona já nos olha de plena elegância
Espreita da cozinha e sorri-nos de contente
E, no seu olhar, é só mimos minha gente

Só cá pra nós…
Ela di-lo de viva voz:

- Viva a privacidade do lado
  Viva este alegre combinado
  O verde e a frescura, neste verão
  E os frutos que eles nos dão!?


Estes elogios fortificam a nossa união…!!!

Hum…resta-nos ainda dizer…

Nossa mãe é tropical é americana
Imigrámos, porque temos muita fama
Somos um calmante puro, natural
Por aqui, não há fruto igual
Temos cálcio, fósforo e vitamina
Que o diga, a nossa dona menina!
Não façamos disto querela!
Mas outras frutas, não são com ela…
Nosso suco, nossa mucilagem
Mostra-lhe bem a nossa imagem
                                     Aprecia o sabor, perfumado e agridoce                                     
Quem diria que assim não fosse!?

 Nosso pé !...tem o prazer, tem a delícia
O manifesto, da entendedora Letícia!

Se quiserdes acalmar, fortificar e ter uma vista bela
Plantai, filhos nossos, ao alcance da vossa janela…

 Maria Guida Rodrigues

Até breve!

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Dez atitudes em comum de quem venceu o cancro

 (Imagem daqui )
Acho que todos conhecemos alguém próximo de nós, que tem ou teve esta doença tão assustadora. A mim acontece-me hesitar muito se devo ou não falar sobre o assunto; e se não me disserem nada, também nada digo. Mas quero que saibam que me importo e me preocupo. Por isso, tenho algumas atenções, para demonstrar o meu interesse. Como por exemplo, reencaminhar mensagens  que sejam inspiradoras, e incutam animo e esperança. É o caso deste artigo, da autoria de Lissa Rankin.

Seja assumidamente VOCÊ. Pessoas que sobrevivem ao cancro tornam-se mal-humoradas; elas andam carecas em shoppings e reviram os olhos, se as pessoas as escrutinam. Elas dizem o que pensam. Elas riem com frequência. Elas não dão desculpas. 

2º Não ature tretas das pessoas. Pessoas que sobrevivem ao cancro deixam de tentar agradar a todos; deixam de se preocupar com o que as pessoas pensam. Se você corre o risco de  morrer dentro de um ano ( e todos nós também!), que interessa  andar por aí a passar graxa ao chefe, ou à tia solteirona?!

Aprenda a dizer "não". Pessoas que sobrevivem ao  cancro dizem não quando não se lhes impinge um frete; elas evitam grupos, quando lhes apetece estar sozinhas. Elas não se deixam pressionar para fazer coisas que realmente não querem.

4º Zangue-se! De seguida ultrapasse isso. Pessoas que sobrevivem ao cancro enfrentam os outros. Questionam-nos. Sentem raiva. Recusam-se a ser capachos. Elas exigem respeito. Elas sentem-se assim. Depois desculpam. Libertam-se disso. Não ficam chateados. Não guardam ressentimento.

5º Não se preocupe com a beleza. Pessoas que sobrevivem ao cancro deixam de se preocupar se teem o cabelo impecável, se a maquilhagem está perfeita, se o peito está firme. Elas estão contentes só por ter peito ( se teem), elas estão contentes só por estarem vivas!

6º Faça agora! Pare de adiar a felicidade. Pessoas que sobrevivem ao cancro compreendem que não há tempo para adiar aquilo que sonham fazer; deixar aquele emprego sugador-de-alma, deixar o marido caloteiro. Priorizam a alegria, vivem como devem viver. 

7º Diga "amo-te" frequentemente. Pessoas que sobrevivem ao cancro não deixam palavras por dizer. Nunca se sabe quando o nosso tempo acaba, não deixe que alguem fique sem saber que o ama.

8º Cuide do seu corpo. Pessoas que sobrevivem ao cancro adquirem uma nova perspectiva sobre saúde. Aqueles que não passaram por esta experiência tomam-na frequentemente como garantida. Por isso, deixe de fumar. Faça uma alimentação saudável. Beba com moderação. Mantenha um peso saudável. Durma o suficiente.

9º Priorize a sua liberdade. Pessoas que sobrevivem ao cancro sabem que ser viciado no trabalho não é a resposta. O dinheiro não compra saúde. A segurança não interessa debaixo da terra. Passar a maior parte do dia stressado só o vai tornar doente.
Como diz Tim Ferriss em The 4-Hour Workweek, “O ouro está a ficar velho. Os novos ricos são aqueles que abandonam o estilo de vida  convencional, e criam luxuosos estilos de vida usando a moeda dos novos ricos: tempo, e mobilidade".
 

10º Assuma riscos! Pessoas que sobreviveram ao cancro enfrentaram medos, e mandaram-no às favas. Elas sabem que a vida é para viver, o medo é impotente, e a alegria está em assumir os riscos. Por isso, vá fazer skydiving, ou body jumping, ou asa delta. Gaste as suas economias. Viva como se fosse morrer amanhã.  

Parece-me que estas dicas são excelentes para todos nós.
Em setembro tive de presente de aniversário a melhor notícia possível. Alguém que estimo muito, passou no teste, e está bem. É o que desejo a todos! 

Tenha uma ótima semana!